Assine

CFMV destaca a importância da doação de sangue entre animais

Dia Nacional do Doador Voluntário de Sangue é celebrado em 25 de novembro

Doar sangue é um ato de solidariedade e não são só os humanos que necessitam de doações. Em diversos casos, animais também precisam fazer transfusão de sangue e, para isso, requerem doadores. 

Entretanto, achar animais que podem doar não é uma tarefa simples. Muitas vezes, quando é encontrado um doador compatível, os proprietários, por falta de informação, ficam receosos em permitir que seus animais doem sangue, com medo de eles sofrerem ou de aparecer algum efeito colateral. 

Mas a coleta, quando feita da forma correta, ocorre de maneira cuidadosa e obedece a uma série de critérios. Ela dura cerca de dez minutos e são colhidos, em média, 450 mL por animal. A saúde e o bem-estar do doador são preservados durante o processo, de forma que o animal não se machuque ou sinta dor, nem tenha a saúde prejudicada. 

sangue
O tempo mínimo recomendado entre
doações para um mesmo animal é de
dois meses (Foto: reprodução)

No Dia Nacional do Doador Voluntário de Sangue, celebrado em 25 de novembro, o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV, Brasília/DF) lembra da importância da doação de sangue animal. A transfusão de sangue, também chamada hemoterapia, é indicada para pacientes em diferentes condições de saúde, como anemia, hemorragia, coagulopatia e hipoproteinemia. Para atendimento aos hospitais veterinários, existem bancos de sangue canino que fazem coletas em animais saudáveis para disponibilidade no caso de emergências médico-veterinárias. 

Um exemplo é o Laboratório Clínico Veterinário da Universidade Estadual Paulista (Unesp, Botucatu/SP). A equipe oferece o serviço de coleta em casa, com agendamento, participa de feiras e promove mutirões ou campanhas específicas para alavancar o número de doações.

Criado em 2009, o banco de sangue consegue, em média, coletar 25 bolsas ao mês. “É um volume que está abaixo das nossas necessidades, mas que é crescente devido à maior divulgação da existência do banco de sangue”, afirmou em entrevista à Revista CFMV a médica-veterinária do Departamento de Clínica Veterinária da Unesp, Regina Takahira. 

Para ser doador, o cão precisa estar com o calendário de vacinação em ordem, ter no mínimo 25 kg e idade entre um e oito anos. Ele passa por exames clínicos e colheita de exames laboratoriais para atestar a sanidade. Também é verificado se o animal tem perfil doador, ou seja, se é calmo e tranquilo, para que a coleta traga o menor trauma possível. 

O tempo mínimo recomendado entre doações para um mesmo animal é de dois meses. Contudo, pesquisas já mostram que em casos de emergência um cão pode sofrer doações em intervalos de 15 dias sem danos à sua saúde. Também há a possibilidade de acelerar a recuperação dos animais por meio da suplementação de vitaminas e minerais.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

Seja o primeiro a comentar
Seu comentário foi enviado. Aguarde aprovação.
Erro ao enviar o comentário. Por favor, preencha o captcha e tente novamente.