Assine

Estudo aponta cerca de 800 espécies de répteis no território brasileiro

Mapeamento é inédito por Estado e mostra as ordens de espécies

O Brasil é o terceiro maior celeiro de diversidade de répteis. Em todo o território nacional, já foram descritas 795 espécies, quantidade que situa o País atrás apenas da Austrália (1.057) e do México (942). No mundo, são, aproximadamente, 11 mil espécies de répteis catalogadas. 

Esses dados constam do artigo Répteis do Brasil e suas unidades federativas: lista de espécies, do recém-doutor em Zoologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG, Belo Horizonte/MG), Henrique Caldeira Costa, e do professor do Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES, Vitória/ES), Renato Silveira Bérnils. 

O levantamento atualiza a lista de todas as espécies de répteis do Brasil e, em uma ação inédita, os pesquisadores também mapearam as espécies existentes em cada um dos 26 Estados, além do Distrito Federal. A produção científica na área da taxonomia – ciência que busca descrever, identificar e classificar os seres vivos – é incessante. Por isso, uma lista de descrição das espécies deve ser atualizada periodicamente. “Desde 2005, quando a Sociedade Brasileira de Herpetologia (SBH) publicou a primeira compilação dos répteis brasileiros, nove espécies, em média, foram descobertas por ano”, informa Henrique Costa. 

Para coletar os dados que compõem a nova lista de espécies de répteis brasileiros, os autores analisaram mais de mil descrições, revisões taxonômicas, inventários e notas de distribuição geográfica divulgados em publicações científicas, desde a última atualização, em 2015.

De acordo com o pesquisador, a lista concentra informações de várias pesquisas em um só lugar e a inclusão do mapeamento por Estados possibilita estudos mais regionalizados. Segundo Henrique Costa, a lista se transformou em referência para pesquisadores, consultores ambientais, organizações públicas e privadas e é citada principalmente em inventários e estudos de impacto ambiental.  

Exclusivas do Brasil. De acordo com o estudo, no Brasil, são conhecidas 36 espécies de cágados, tartarugas e jabotis, répteis que pertencem à ordem dos Testudines, por terem o corpo recoberto por carapaças. Da ordem Crocodylia – grandes répteis semiaquáticos com corpo revestido por grossas escamas – foram descritas apenas seis espécies de jacarés. As outras 753 espécies são da ordem Squamata – répteis com o corpo escamado. Desse grupo, 405 espécies são de serpentes, 276, de lagartos, e 72, de anfisbenas, popularmente chamadas de cobras de duas cabeças.  

Das 795 espécies descritas, quase metade é endêmica, ou seja, ocorre apenas nos ambientes naturais do território brasileiro. No caso dos jacarés, informa Costa, nenhuma espécie encontrada no Brasil é endêmica. Em relação aos cágados, seis espécies são exclusivas do País, como o cágado-de-hogei (Mesoclemmys hogei), que vive na região da bacia do Rio Paraíba do Sul e está ameaçado de extinção. Na ordem com maior número de espécies descritas – a Squamata – são endêmicos 40% das serpentes, 53% dos lagartos e 76% das anfisbenas. “Além de concentrar importante diversidade de répteis, o Brasil possui número significativo de endemismos”, resume Henrique Costa. 

Das 27 unidades federativas, a mais rica em espécies de répteis é o Mato Grosso, com 298. Alguns fatores que influenciam a distribuição das espécies são a extensão territorial, a diversidade de biomas e o clima.

Fonte: UFMG, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

Seja o primeiro a comentar
Seu comentário foi enviado. Aguarde aprovação.
Erro ao enviar o comentário. Por favor, preencha o captcha e tente novamente.