Assine

Gatos devorariam seus tutores se fossem do tamanho de leões

Revelação foi feita em documentário por especialistas em grandes felinos

Muitos tutores de gatos se deparam com seus pets brincando com um pássaro e, sem saber, está assistindo, praticamente, o mesmo drama da matança de um gnu por um leão na savana africana. De acordo com os especialistas em grandes felinos e defensores de sua preservação, Beverly e Dereck Joubert, a única diferença significativa entre o gato doméstico e os grandes felinos é o tamanho. "Se teu gato fosse do tamanho de um leão, ele te devoraria", afirmam os Joubert. 

leao
É provável que, em 20 anos, já não existam
mais leões em liberdade (Foto: reprodução)

Os pesquisadores realizaram um trabalho para comparar o comportamento desses animais com seus primos pequenos, os gatos domésticos. O resultado é um documentário, dentro da série A alma dos felinos (Nat Geo Wild). O documentário acompanha um gato doméstico em suas andanças e rondas cotidianas. O material mostra o gato Smokey fazendo tudo o que fazem os gatos, hábitos idênticos aos que fazem seus grandes primos felinos. Os Joubert admitem que o pet apresenta algumas diferenças em relação aos leões. "Os gatos não são sociáveis como eles. Provavelmente, o mais próximo nesse aspecto seja o leopardo", contam e ainda citam que os gatos são os únicos felinos que ronronam de verdade, algo que não se sabe muito bem para que serve. 

O documentário fez parte do Mês dos Grandes Felinos, programação especial do canal de TV por assinatura Nat Geo Wild, destinada a alertar que a maioria das espécies de grandes felinos se encontra entre os animais mais ameaçados do planeta. Os Joubert protagonizaram campanhas de conscientização sobre o risco real da ausência desses animais e criaram, em 2009, a associação Big Cats Initiative, que trabalha pela proteção dos grandes felinos e seu ecossistema. "O tempo se tornou precioso no que concerne aos grandes felinos", afirma Dereck Joubert. Ele revela que restam apenas 20 mil leões no mundo e o número continua caindo. “É muito provável que, em 20 anos, já não existam em liberdade", aponta.

Fonte: El País, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

Seja o primeiro a comentar
Seu comentário foi enviado. Aguarde aprovação.
Erro ao enviar o comentário. Por favor, preencha o captcha e tente novamente.