Assine

Alimentação saudável de pets deve ser regra até na quarentena

Vetnil e veterinária Carla Maion dão dicas de nutrição para os animais

Por conta do isolamento social, muitos brasileiros mudaram seus hábitos (principalmente com relação à alimentação e a atividades físicas) e os animais domésticos foram inseridos em rotinas totalmente novas, com tutores mais presentes e menos passeios. Para eles, estas alterações podem causar estresse e problemas nutricionais, como aumento de peso.

A Vetnil reuniu algumas dicas da veterinária Dra. Carla Maion para os pets saudáveis em tempos de reclusão. Segundo Carla, os tutores devem prestar atenção na quantidade e na qualidade da comida que os pets estão ingerindo. Para isso ela dá as seguintes dicas: “Mantenha o alimento que seu pet come diariamente fracionado em quantidades que ele está acostumado. De preferência, use uma balança para pesar as porções; Caso o pet ganhe peso, reduza 10% da quantidade de comida; Se você oferece petiscos, prefira os pouco calóricos e só em situações de reforço positivo; Utilize brinquedos recheáveis para colocar o alimento do pet em cada refeição. Isso causa ganho cognitivo e desestressa; Mantenha as atividades física dos pets, mas não esqueça de higienizar as patinhas antes de entrar em casa. Isso pode ser feito com produtos antissépticos”, enumera.

A veterinária reforça que os petiscos também devem ser controlados. “Para isso, é preciso ter cuidado, pois alguns petiscos não agregam em nada para a saúde dos pets e ainda podem causar ganho de peso. Ofereça sempre petiscos saudáveis, com ingredientes mais naturais e que proponham alguma coisa para a saúde do pet; Experimente oferecer suplementos saborizados, que além de fazerem bem, são muito saborosos para os pets. Por exemplo, Ômega 3 e bisnagas de probióticos; Algumas frutas podem ser oferecidas para os pets. As mais indicadas são: maçã, pera, melancia e melão. Sempre sem casca e sem semente; Você pode usar as frutas para fazer gelinho ou sorvete”, recomenda.

Estresse e saúde. Situações como a quarentena podem estressar os pets e acarretar uma baixa de imunidade. Por isso, é indicado oferecer suplementos como: antioxidantes, algas como a spirulina, probióticos, beta-glucano, entre outros. “Gatos são ainda mais sensíveis e precisam de mais vitaminas como o Ômega 3 enriquecido com antioxidantes e probióticos”, informa Carla.

Mas os tutores precisam estar atentos: alguns alimentos são extremamente tóxicos para os pets e não podem ser oferecidos em hipótese alguma. A veterinária menciona os principais deles: “Cebola e alho: São compostos por dissulfeto de alil propila e alicina que podem causar ruptura de hemácias e anemia; Uvas de todos os tipos: Podem causar lesões renais nos pets; Carambola e Abacate: Ambos contêm substâncias que podem causar alterações digestivas como diarreia, vômito e indisposição; Tomate verde: Possui uma substância chamada tomatina que pode causar problemas cardíacos. O tomate vermelho, bem maduro, está liberado; Castanha do Pará e macadâmia: Podem causar intoxicação; Cacau e cupuaçu: São ricos em teobromina, uma substância que pode causar lesões neurológicas, cardíacas e convulsões”, finaliza.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Pós-quarentena: como entreter os pets e evitar ansiedade de separação?

Retomada da rotina dos tutores exigirá cuidados com os pets

Chocolate: veterinária explica a toxicidade aos animais de companhia

Seja o primeiro a comentar
Seu comentário foi enviado. Aguarde aprovação.
Erro ao enviar o comentário. Por favor, preencha o captcha e tente novamente.