Assine

Alimento seco x úmido: qual o melhor para manter o peso dos gatos?

Dieta dos felinos deve conter grande quantidade de proteína

Os gatos vêm ganhando espaço como animais de estimação nos lares brasileiros. Segundo estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população de felinos domésticos no Brasil é de 23,9 milhões, com previsão de 30 milhões até 2022. No entanto, é fundamental que os tutores conheçam seus pets e, principalmente, suas particularidades. E, na hora da alimentação, não pode ser diferente.

Os gatos apresentam características nutricionais inerentes à sua espécie e, por isso, é preciso cuidado na hora de montar o planejamento alimentar. “Os gatos se originaram no deserto, ingerem pouca água, ‘aprenderam’ a concentrar a urina e são carnívoros estritos. Portanto, carboidratos têm pouco valor nutricional para eles. Em contrapartida, possuem características metabólicas que tornam suas necessidades proteicas de duas a três vezes maior do que a do cão”, pontua a veterinária especialista em Medicina Felina, Vanessa Zimbres, sócia-proprietária da clínica Gato É Gente Boa, a primeira do interior paulista a obter o selo Cat Friendly Practice em grau ouro. 

Ração seca ou úmida? As rações secas contêm mais carboidratos e proteína vegetal, ingredientes que, segundo Vanessa explica, não fazem parte da dieta do carnívoro. Além disso, elas contêm, em média, de 30% a 40% de carboidratos, o que predispõe os felinos ao ganho de peso e ao diabetes. Já as reações úmidas, possuem em sua composição 80% água e alta concentração de proteína animal. Ou seja, a dieta úmida é menos calórica e mais nutritiva.

“O alimento úmido é muito mais do que um petisco. E ele pode, perfeitamente, ser combinado ao alimento seco, seja na mesma refeição ou de forma alternada, desde que tenham os mesmos objetivos nutricionais. Esta é a maneira ideal de oferecer uma dieta completa e balanceada e auxiliar no controle do peso”, explica a Dra.

Além disso, segundo ressaltado pela profissional, os gatos procuram diferentes experiências sensoriais institivamente e, por isso, a diversidade de texturas tornam o momento de comer mais agradável para eles.

Mas é importante levar em consideração alguns fatores que dizem muito sobre as necessidades nutricionais dos animais, como idade, sexo, tamanho, estilo de vida e saúde. De acordo com a veterinária, os nutrientes fornecidos na dieta são essenciais para as funções vitais do organismo. “Cães e gatos apresentam necessidades de ingestão de 45 nutrientes diariamente, que devem ser distribuídos entre: 52% proteína, 36% gorduras e apenas 12% carboidratos. Mas, antes de oferecer aos felinos, o ideal é que os tutores conversem com um médico-veterinário para saber qual alimento é mais indicado para sua condição”, finaliza.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Estudantes de Veterinária criam liga nacional com foco em cirurgia

Rivalidade entre cães e gatos está associada ao instinto de caça

Veterinário desmistifica pontos em relação à nutrição de cães e gatos

Seja o primeiro a comentar
Seu comentário foi enviado. Aguarde aprovação.
Erro ao enviar o comentário. Por favor, preencha o captcha e tente novamente.