Assine

Conhecer as causas da otite pode evitar recidivas nos animais

Problema é muito comum na clínica, mas isso não o torna algo banal

Os consultórios veterináros de todo o mundo recebem inúmeras recorrências de animais com otite diariamente. No entanto, nessa época do ano, com dias mais quentes, com maior acesso dos pets a banhos ou, até mesmo, piscinas, lagos e mares, há uma presença maior de umidade dentro do conduto auditivo e isso resulta no aumento de casos dessa doença. 

Outro fator que, talvez, possa contribuir para o aumento de casos é a exposição a ectoparasitas. De acordo com a coordenadora do Curso de Medicina Veterinária da Faculdades Metropolitanas Unidas (FMU), responsável pelo serviço de Dermatologia do Centro Veterinário Alto da Lapa (São Paulo/SP), professora em Saúde e Bem-Estar Animal da FMU e do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMZV), da Universidade de São Paulo (USP), Ana Claudia Balda, há diversas causas primárias da otite. “Sendo a principal, um quadro alérgico, ou seja, uma alergia a inalantes, denominada dermatite atópica”, diz. 

O médico-veterinário mestre em clínica veterinária, sócio-fundador e atual presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia Veterinária (SBDV), clínico autônomo com atendimento em Dermatologia no Care Pet - Hospital Veterinário e Vet Saúde, Luiz Lucarts, adiciona que, nas causas primárias, acometem o conduto auditivo hígido, isto é, sem alterações. “Uma vez ocorrendo a causa primária, a secundária pode vir em seguida”. 

As causas da otite podem ser, de acordo com Lucarts, primárias, por conta de dermatites alérgicas (atopia, DAPE, hipersensibilidade alimentar), autoimune (pênfigo foliáceo), endócrinas (hiperadrenocorticismo, hipotireoidismo), corpo estranho, alterações glandulares (hiperplasia de glândula sebáceas), virais (cinomose). Ou, ainda, secundárias, pela presença de bactérias, leveduras, limpeza excessiva, reações medicamentosas. 

O médico-veterinário responsável pelo serviço Petderma, com atendimento em São Paulo (SP) e Natal (RN), Douglas Bessa Figueira, afirma que as raças mais acometidas, frequentemente, apresentam mais dermatopatias. “Em meu consultório, as mais atendidas são: shi tzu, golden, pug, labrador, buldogue francês e inglês. Mas a otite pode afetar qualquer raça”, enumera. 

Leia a reportagem de capa da edição de dezembro da C&G VF na íntegra. 

Fonte: Redação Cães&Gatos VET FOOD. 

Seja o primeiro a comentar
Seu comentário foi enviado. Aguarde aprovação.
Erro ao enviar o comentário. Por favor, preencha o captcha e tente novamente.