Assine

Contágio emocional: estresse humano afeta animais de companhia

Estudo analisou questão com foco no relacionamento entre tutores e cães

A conexão entre o homem e os cães, por sua profundidade, ainda desperta muito interesse dentre os pesquisadores, principalmente acerca do modo de vida atual. Tendo isso em mente, um estudo elaborado por investigadores suecos da Universidade de Linköping, mostrou que a sincronização de estresse entre as espécies pode acontecer. 

De acordo com a pesquisa, os níveis de estresse entre os animais e os tutores tornam-se ‘sincronizados’ a longo prazo, além disso, o estresse agudo demonstrou ser altamente contagioso, tanto entre humanos como entre indivíduos de outras espécies, consideradas sociais.

Para entender a situação, o estudo analisou 58 pares cão-humano e examinou as suas concentrações de cortisol capilar em duas ocasiões distintas, durante os meses anteriores de verão e inverno. Enquanto os níveis de cortisol agudo podem ser avaliados em matrizes como sangue e saliva, uma matriz promissora para avaliar a concentração de cortisol a longo prazo é o pelo/cabelo. À medida que o pelo ou cabelo cresce, o cortisol do sangue é gradualmente incorporado, formando de fato um calendário retrospectivo de concentrações de cortisol.

A pesquisa, que teve como foco animais das raças Shetland sheepdogs e Border collies, contou com a realização de um questionário de personalidade canina preenchido pelo tutor, inquéritos com base no inventário dos cinco grandes fatores de personalidade em humanos e o monitoramento dos níveis de atividade física dos animais.

Ao fim, o estudo apontou correlações interespécies significativas no estresse a longo prazo, em que as concentrações de cortisol capilar humano, tanto de amostragens de verão como de inverno, se correlacionaram fortemente com as do cão. Assim como, identificou que, apesar de as personalidades dos cães afetarem pouco o seu cortisol, os traços de personalidade humana, neuroses, consciência e abertura afetaram significativamente os animais. Tais resultados revelam que há um contágio emocional e que os cães, em grande número, espelham o nível de estresse dos seus tutores.

Fonte: Veterinária Atual, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Com ou sem campanhas, animais devem ser vacinados contra a Raiva

Fauna e flora do Pantanal pedem socorro: quem é o principal culpado?

Entidades mundiais promovem webinar para debater o fim da Raiva

Seja o primeiro a comentar
Seu comentário foi enviado. Aguarde aprovação.
Erro ao enviar o comentário. Por favor, preencha o captcha e tente novamente.