Assine

CRMV-SP promove campanha educativa sobre guarda-responsável de pets

Conscientização é palavra-chave para reduzir os índices de abandono

Antes da pandemia da Covid-19, já havia uma carência de dados estatísticos oficiais sobre abandono de animais no Brasil e, então, não foi durante este período de isolamento que a lacuna foi suprida. Porém, foi justamente neste cenário de grandes dificuldades sanitárias e socioeconômicas que situações que configuram maus-tratos, desassistência e abandono de cães, gatos e outros animais de estimação passaram a ser constatadas com maior frequência nas ruas, abrigos e entre pessoas e profissionais que realizam resgates.

Para contribuir para com a conscientização sobre a guarda-responsável de animais de estimação e o combate ao abandono de pets e seus agravantes neste período de enfrentamento à pandemia provocada pelo novo coronavírus, o Conselho Regional de Medicina Veterinária de São Paulo (CRMV-SP) lança a campanha “Nunca abandone seu melhor amigo!”, em parceria com a concessionária CCR Nova Dutra.

A ação envolve uma campanha digital, uma campanha educativa pela Rádio CCR FM Nova Dutra, a fixação de faixas em pontos estratégicos da Rodovia Presidente Dutra, a disponibilização de conteúdos em cartazes para download e fixação nos estabelecimentos, além de um folder educativo, que também poderá ser baixado neste link.

Em todo o mundo, foram várias as notícias de cães e gatos abandonados por suas famílias, devido ao medo de que os animais pudessem ser fontes de transmissão do novo coronavírus (Sars-CoV-2), que provoca a Covid-19. “No entanto, não há evidências científicas de que os pets possam transmitir este vírus”, alerta a médica-veterinária integrante da Comissão Técnica de Bem-estar Animal (CTBEA), do CRMV-SP, Rosangela Ribeiro Gebara.

Ainda há muita desinformação sobre o assunto e, muitas vezes, reforçada pela circulação de notícias falsas. Além disso, ao receberem a orientação de evitar passear com o animal e de aumentar os cuidados de higiene com o pet, algumas pessoas interpretam, erroneamente, que ele pode transmitir o vírus. “Na verdade, essas recomendações se devem ao fato de que, assim como nós podemos encostar nossas roupas em um local contaminado e trazer o vírus para dentro de casa, o animal pode trazer no pelo ou nas patinhas”, explica Rosangela, esclarecendo que, se for mantida a higiene do pet, assim como a limpeza da casa, das roupas e objetos, a medida de prevenção é efetiva contra a contaminação.

Os fortes impactos financeiros e a mudança nas rotinas e configurações familiares também são fatores que podem ter contribuído para com o índice de abandono.

Abandono é crime. Além de uma prática cruel, abandonar um animal é crime, conforme a Lei Federal nº 9.605/98, que estabelece pena de prisão e multa, as quais podem ser aumentadas se o ato resultar na morte do animal. “Em alguns casos, juízes também têm se apoiado na Resolução nº 1236/18, do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), para balizar análises de casos”, comenta Rosangela, sobre a norma que elenca definições de crueldade, abuso e maus-tratos contra animais.

Neste sentido, o Guia Prático para Avaliação Inicial de Maus-tratos a Cães e Gatos, lançado pelo CRMV-SP em 2018, também já tem sido matéria de apoio para outras esferas da sociedade, além da classe médica-veterinária.

Fonte: CRMV-SP, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Prefeitura de São Paulo registra queda no número de adoção de pets

Inscrições para prêmio "Cidade amiga dos animais" estão abertas

Seja o primeiro a comentar
Seu comentário foi enviado. Aguarde aprovação.
Erro ao enviar o comentário. Por favor, preencha o captcha e tente novamente.