Assine

Escovação diária dos dentes dos pets evita problemas na saúde bucal

Consultas periódicas ao médico-veterinário também são medidas preventivas

Aproximadamente 80% dos cães e gatos são atingidos pela doença periodontal, que se mostra como uma vilã na manutenção da saúde geral dos pets. Para o Dia Mundial da Saúde Oral (20/03), o Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo (CRMV-SP) alerta que o simples hábito de escovar os dentes dos animais de estimação evita sérias infecções que podem atingir órgãos e comprometer a vida dos peludos. 

Provocada pela presença de placas bacterianas nos dentes, a doença periodontal é a alteração na estrutura da gengiva e dos tecidos de sustentação dos dentes. O médico-veterinário da Comissão Técnica de Clínicos de Pequenos Animais (CTCPA) do CRMV-SP, Eduardo Pacheco, explica que, inicialmente, o cão ou o gato desenvolve uma gengivite, que é a inflamação da gengiva. Se não tratada, ela evolui para a periodontite, quando os ligamentos e ossos que dão suporte aos dentes inflamam e infeccionam. 

Sinais do problema. Os sinais mais clássicos são: forte mau hálito, vermelhidão, inchaço e sangramento das gengivas, além de dificuldade de mastigar. “O animal apresenta sinal de dor e os dentes recobertos por uma camada amarelada ou amarronzada, que é o cálculo dentário, chamado de tártaro”, menciona Pacheco. Porém, os indícios da doença nem sempre são evidentes. O conselheiro do CRMV-SP, que atua na área de odontologia veterinária, Leonel Rocha, alerta para o fato de a doença periodontal ser silenciosa por um longo período, o que acaba contribuindo para um diagnóstico tardio. 

“O resultado é a queda dos dentes, com exposição da raiz dentária, dificuldade para se alimentar e, especialmente, uma disseminação bacteriana por via sanguínea”, argumenta Pacheco. Com isso, há probabilidade de agravamentos no quadro geral de saúde do animal. “Todo o processo inflamatório leva a complicações, chegando aos rins, fígado, coração e articulação, assim como provocam estresse imunológico”, ressalta Rocha. 

Tratamento cirúrgico. A doença periodontal pode ser tratada apenas cirurgicamente. Sob anestesia geral, o animal é submetido à raspagem de eventuais raízes expostas e polimento de dentes. Em casos em que há comprometimento dos tecidos de sustentação, pode haver a extração dentária. O procedimento pode levar de uma a duas horas de duração, dependendo da gravidade. 

A maneira mais eficiente de prevenir a doença é promover a escovação diária dos dentes dos pets. “Apenas uma vez na semana, na visita ao petshop, a higienização não tem eficácia. Da mesma forma, não adianta substituir a escovação por brinquedos e petiscos que prometem fazer a limpeza dos dentes. Eles contribuem, mas não são a principal medida”, ressalta o conselheiro do CRMV-SP, Leonel Rocha. 

A limpeza diária deve se tornar um hábito desde a infância do pet, para que o animal já se acostume com a higienização e para que a prevenção ocorra desde filhote. Outra medida fundamental é levar o pet para consulta ao médico-veterinário, quando será avaliada a necessidade de exames e de profilaxia. “Cerca de 80% dos problemas ocorrem abaixo da linha da gengiva. Por isso, é importante um exame de raio-x intraoral, para saber como está a saúde nesta região”, diz Rocha. 

Fonte: CRMV-SP, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

Seja o primeiro a comentar
Seu comentário foi enviado. Aguarde aprovação.
Erro ao enviar o comentário. Por favor, preencha o captcha e tente novamente.