Assine

Especialistas auxiliam nutrição de neonatos e filhotes de cães e gatos

Nutrição adequada está entre os fatores para diminuir letalidade dos pets

Com a alta letalidade perinatal entre os pets, especialmente no período neonatal, do nascimento à primeira semana de vida, está entre os fatores que podem auxiliar na diminuição dos casos, a nutrição adequada. Cuidado defendido pelas médicas-veterinárias Julia Oliveira Trindade, Larissa Salomé Gomes e Camila Infantosi Vannuchi, em artigo.  

De acordo com o texto, quando comparados a animais adultos e saudáveis, os neonatos caninos e felinos exibem várias diferenças fisiológicas e metabólicas, como o padrão do sono, a manutenção de posição flexora, maior porcentagem de água e a temperatura corpórea distinta.  

Para avaliar o estado clínico de um neonato, ficar atento ao peso é muito importante, considerando as variações de raça, sexo e porte dos animais quando adultos. Assim como à observação dos reflexos neonatais ligados à alimentação e o reflexo de sucção. A garantia de alimentação dos filhotes requer atenção, principalmente nas primeiras 36 horas após o nascimento, pois os neonatos possuem reservas reduzidas de gordura corporal e capacidade metabólica limitada para produzir glicose a partir de seus precursores. 

Algumas possibilidades para a sobrevivência dos filhotes é o aleitamento artificial e a nutrição pediátrica, com diversas dietas comerciais específicas para recém-nascidos, equivalentes ao leite materno, poupando os filhotes de problemas gastro-entéricos. Fórmulas caseiras, compostas por aproximada concentração de proteínas, lipídios, cálcio e energia, que respeitam a composição de nutrientes necessários, também são indicadas. 

O artigo ressalta que a forma de administração do aleitamento artificial deve ser semelhante ao fisiológico, por meio de mamadeiras apropriadas, de acordo com os dias de vida do filhote, para, assim, calcular as medidas corretas da alimentação. 

Já sobre o desmame, considerado crítico para os neonatos, se trata de um período de adaptação do sistema gastrointestinal, ao qual o filhote passará a ser exposto a novas fontes de proteínas, carboidratos e lipídeos, que poderá ser iniciado entre quarta e quarta semana e meia, podendo ser postergado até a 5ª semana, se necessário. 

Para mais informações e detalhes sobre o tema, leia o artigo completo na edição de setembro da C&G VF. Acesse aqui.

Fonte: Redação Cães&Gatos VET FOOD. 

 

Seja o primeiro a comentar
Seu comentário foi enviado. Aguarde aprovação.
Erro ao enviar o comentário. Por favor, preencha o captcha e tente novamente.