Assine

Especialistas falam sobre empreendedorismo na veterinária

Importância do conhecimento administrativo é relatado por profissionais

O que fazer após o término do período universitário é sempre envolto de grande dúvida, e dentro da Medicina Veterinária isso não seria diferente, ainda mais para quem busca exercer função na área clínica, onde surge uma questão comum, trabalhar para alguém ou montar o próprio negócio.

Com isso, empreender tem se tornado uma ideia viável no Brasil, já que, ao ser analisado o período de 2007 a 2018, a Taxa de Empreendedorismo Total (TTE) chegou aos 38%, segundo a pesquisa da Global Entrepreneurship Monitor (GEM). Mas será que o aporte oferecido pelas universidades auxilia corretamente os recém-graduados no mercado de trabalho?

De acordo com o médico-veterinário do Vetlim Hospital Veterinário, em Limeira (SP), Henrique Francisco Maize, na sua grade não foi abordado a gestão de uma clínica e isso fez muita falta. “Houve apenas uma pincelada em torno desse assunto, mas uma matéria específica, infelizmente, não. O mercado é muito competitivo e cada vez mais existe uma maior exigência dos consumidores nessa área. Se não ocorre uma boa administração e, consequentemente, uma boa saúde financeira, o profissional não consegue investir em sua estrutura e, principalmente, na busca de mais conhecimento como, por exemplo, uma pós-graduação para oferecer um serviço diferenciado. Por ser um mercado em ascensão, não se justifica um negócio ruim pelos olhos de empresário”, relata.

O também médico-veterinário e proprietário do consultório veterinário Maurício Mourilhe Coelho, Maurício Mourilhe Coelho, relata que uma matéria com esse foco mostraria como é difícil administrar questões básicas de um consultório, como ativos, passivos, contas a vencer, prazos, entre outras. Pela falta dessa introdução, já passou dificuldades para manter o negócio. “Por não ter noção sobre finanças, tive problemas. Já precisei escolher qual encargo pagar, por conta da falta de recursos”, explica. 

Com isso, o consultor financeiro e mentor empresarial especialista em empresas familiares e proprietário da FAST Assessoria Financeira, Hygor Duarte, explica que o primeiro passo é o médico-veterinário identificar qual é a sua maior paixão. “É óbvio que cursou Medicina Veterinária porque tem paixão pelos animais, mas ele pode ser apaixonado por gerenciar uma clínica, pode ser um empreendedor nato, apaixonado por gerar empregos, empreender outros veterinários. Precisa identificar se ele vai ser o veterinário com mais perfil operacional, que ama estar na maca com os animais, ou se tem um perfil mais gerencial de liderança”, afirma, indicando pontos importantes que deverão ser trabalhados, como a questão da disciplina financeira, como calcular o pró-labore sem erro e sobre quando a gestão entre em alerta vermelho. 

Mas se não for o caso, como dos dois exemplos citados acima, o especialista recomenda a busca por um mentor, com experiência necessária. “Pode ser algum empresário que conheça, ou um amigo que hoje é contador, por exemplo, alguém que entenda o que acontece dentro do mundo das empresas, procurar um consultor especialista em empresas familiares, buscar ajuda em coisas que ele já sabe que não é bom, e o apoio de um mentor pode fazer total diferença para dar o direcionamento nessas questões”. 

Para mais informações de como empreender dentro da área, leia a reportagem completa na edição de setembro da C&G VF. Acesse aqui

Fonte: Redação Cães&Gatos VET FOOD. 

Seja o primeiro a comentar
Seu comentário foi enviado. Aguarde aprovação.
Erro ao enviar o comentário. Por favor, preencha o captcha e tente novamente.