Assine

Estudo da Cão Cidadão revela quais tecidos os gatos preferem arranhar

Pesquisa ajuda tutores de felinos a evitar a destruição de mobílias

O Grupo de Estudos Científicos da Cão Cidadão (GEC), criado por Alexandre Rossi, zootecnista, especialista em comportamento animal e sócio-fundador da Cão Cidadão, conduziu uma pesquisa sobre o hábito do arranhar dos gatos domésticos e a sua preferência por alguns tecidos. 

Rossi explica que, como a arranhadura é uma questão bastante relatada por tutores e pelo fato de muitas empresas venderem os famosos tecidos ‘antigatos’, a Cão Cidadão decidiu analisar se os gatos, realmente, demonstram alguma preferência por tecidos que revestem as mobílias. “Um dos nossos objetivos é conduzir estudos científicos que possam auxiliar os tutores a se relacionarem melhor com os pets”, conta. 

Para o estudo, foram escolhidos quatro tecidos com base em um questionário on-line que apontou o chenille e o couro sintético como os tecidos mais comuns nos móveis dos tutores de gatos. Paralelamente, foi realizado um levantamento para verificar quais são os tecidos atualmente vendidos como “antigato”, tendo como resposta o gorgurão impermeável e o suede. 

Foram, então, confeccionadas estruturas semelhantes a arranhadores comerciais, envoltas com cada um dos tecidos escolhidos para o teste e disponibilizadas em três ONGs, nas quais foram instaladas, também, câmeras com sensor de movimento e luz infravermelha. No total, foram quase 150 gatos que puderam expressar a sua preferência. 

Resultados. O GEC constatou uma aparente resposta de preferência pelo tecido chenile e não preferência pelo couro sintético e gorgurão impermeável. Assim, é possível que evitar usar o chenille e utilizar o couro sintético ou gorgurão impermeável para revestir mobílias estofadas possa reduzir danos nos móveis. 

Entretanto, como o estudo está em fase de submissão, visando à publicação em revista científica internacional, os achados devem ser interpretados com cautela, pois as conclusões ainda podem sofrer alterações. Mesmo assim, o trabalho do GEC mostra o esforço de resolver uma questão importante do ponto de vista prático por meio de embasamento científico, uma vez que danos na mobília causados por arranhaduras são reclamações frequentes dos tutores de gatos e podem, inclusive, levar a maus-tratos e abandono. 

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

Seja o primeiro a comentar
Seu comentário foi enviado. Aguarde aprovação.
Erro ao enviar o comentário. Por favor, preencha o captcha e tente novamente.