Assine

Exército divulga edital para concurso de oficial médico-veterinário

Inscrições serão até dia 05 de agosto e prova será dia 13 de setembro

Quem deseja atuar como médico-veterinário do Exército Brasileiro vê uma chance agora: estão abertas as inscrições para o concurso de oficial para esse cargo. O edital oferece duas vagas e o processo seletivo será realizado em todo o território nacional. Os profissionais que se candidatarem devem ter diploma emitido por instituições reconhecidas pelo Ministério da Educação (MEC). O período de inscrição vai até 05 de agosto de 2020 e a prova será realizada dia 13 de setembro.

A Escola de Formação Complementar do Exército (EsFCEx), em Salvador, é a responsável pelo concurso, no entanto, os aprovados em Medicina Veterinária farão o curso de formação no Rio de Janeiro, na Escola de Saúde do Exército (EsSEx), juntamente com os novos oficiais médicos, dentistas, farmacêuticos e enfermeiros.

A duração do curso de formação é de, aproximadamente, 35 semanas. No final, o oficial será declarado primeiro-tenente, sendo classificado em uma Organização Militar, conforme seu desempenho escolar final. O progresso da carreira o conduzirá, após aprovação nos cursos de habilitação exigidos, ao posto final de coronel.

O candidato deverá ter até 32 anos de idade no dia 31 de dezembro do ano da matrícula, isto é, em 2021. Além da prova intelectual, o candidato é submetido a inspeção de saúde, exame de aptidão física, avaliação psicológica e comprovação de requisitos para habilitação.

Atuação. No Exército, o oficial médico-veterinário pode atuar em diversas áreas de competência da profissão, como sanidade de animais de emprego militar (cães e cavalos), além de ruminantes e animais silvestres, inspeção e segurança dos alimentos e da água, vigilância sanitária e ambiental, controle de zoonoses e pragas, além de defesa biológica, em consonância com o conceito de Saúde Única.

O coronel médico-veterinário Francisco Augusto dos Santos comenta que teve a oportunidade de, ao longo de mais de 30 anos de serviço, trabalhar como Chefe da Seção de Cães-de-Guerra, do Laboratório de Inspeção de Alimentos e do Hospital Veterinário da Escola de Equitação. “Além disso, exerci funções de defesa biológica, biossegurança, vigilância sanitária e ambiental em duas missões de paz da ONU, no Haiti; nos Jogos Olímpicos Rio 2016; na operação de ajuda humanitária aos refugiados venezuelanos, a Operação Acolhida; e em diversas operações militares no Brasil, principalmente, na Região Amazônica. Assim, o Exército Brasileiro me proporcionou experiências profissionais que, dificilmente, teria em qualquer outra instituição nacional”, afirma.

Para o coronel médico-veterinário, que também é membro da Comissão Estadual de Saúde Pública Veterinária do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado do Rio de Janeiro (CRMV-RJ), o emprego no Exército é cada vez mais valorizado, por meio da intensificação de sua participação nas ações de saúde pública, como no atual combate à Covid-19.

Segundo ele, os oficiais fazem parte dos comandos conjuntos, que planejam e organizam ações do Exército em nível regional, além de participar, efetivamente, no combate à pandemia, por meio de medidas de prevenção individuais dos militares e desinfecção de instalações e equipamentos.

A renovação de seus quadros permite ao Exército manter a continuidade dos trabalhos executados, elevando o padrão sanitário de sua tropa e de seus animais. Além disso, ganha a Medicina Veterinária, como um todo, por conta da oferta de novas oportunidades de trabalho aos médicos-veterinários e da valorização de seus integrantes.

Fonte: CRMV-RJ, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Tenente veterinária do Exército comenta atuação nas Forças Armadas

Saúde Única na Veterinária Militar ganha força durante a pandemia

Seja o primeiro a comentar
Seu comentário foi enviado. Aguarde aprovação.
Erro ao enviar o comentário. Por favor, preencha o captcha e tente novamente.