Assine

Filme “Dumbo” impulsiona discussões sobre animais em circo

Estresse e falta de estrutura são prejudiciais à saúde destes bichos

Dirigido por Tim Burton, o live-action Dumbo acaba de estrear no Brasil. A adaptação da animação de mesmo nome, lançada pela Disney em 1941, conta a história de um elefante que vive em um circo, tem orelhas enormes e, após sofrer com a desconfiança e piadas, aprende a voar. 

Diferente do original, em que o filme é apresentado pelo olhar dos animais, a nova versão mostra mais a relação dos humanos com os bichos. Além da discussão sobre a aceitação das diferenças, o filme mostra a realidade de animais vivendo nos circos. Em uma das cenas, o pequeno Dumbo é separado da mãe e, em outras, os animais sofrem com a condição do espectáculo. “Um circo, muitas vezes, não tem capacidade técnica de oferecer recintos adequados para os animais, que ficam em jaulas, na pior condição possível. Além disso, o ambiente em que os animais vivem são muito artificializados, sem relação com ambiente natural. Essa condição e a falta de oportunidade de interação com outros animais, resulta em uma fonte permanente de estresse”, explica o biólogo e membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza, Sérgio Lucena Mendes. 

No Brasil, o Projeto de Lei 7.291, que proíbe, em todo o País, a participação de animais em espetáculos circenses, ainda aguarda votação na Câmara dos Deputados. Enquanto isso, muitos Estados brasileiros já restringem esse tipo de apresentação, como Paraná, Goiás, Minas Gerais, Pernambuco, São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. 

Para o biólogo, os animais que vivem em um circo podem, ainda, sofrer com problemas de saúde causados tanto pelo estresse quanto por falta de estrutura. “Muitos locais não conseguem oferecer uma condição médica e nutricional adequada, como os zoológicos costumam fazer. Então, é comum verificar animais nos circos com problemas de desnutrição ou obesidade. Além disso, o estresse também causa impactos secundários, como queda da imunidade, o que deixa o animal suscetível a doenças também transmitidas por humanos”, comenta. 

Lembrando que o artigo 32 da Lei 9.605/98 de Crimes Ambientais dispõe sobre maus-tratos contra os animais considerando crime ferir, mutilar e realizar práticas de abuso com animais domésticos, silvestres, exóticos ou nativos. As denúncias podem ser feitas para a Polícia Militar, nas delegacias ou ainda para o Ministério Público. O Ibama também mantém um disque-denúncia pelo número 0800-61 8080. Alguns municípios e Estados como Curitiba, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo e Santa Catarina possuem canais de denúncia e/ou delegacias especializadas para atender desse tipo de ocorrência. 

Fonte: Bem Paraná, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

Seja o primeiro a comentar
Seu comentário foi enviado. Aguarde aprovação.
Erro ao enviar o comentário. Por favor, preencha o captcha e tente novamente.