Assine

Médico-veterinário é fundamental na garantia da Saúde Única

CRMV-SP propõe que tal conceito seja incorporado ao SUS

União indissociável entre saúde animal, humana e ambiental, a Saúde Única tem ganhado destaque nas últimas décadas, mas, na verdade, o conceito surgiu no século 19, quando o patologista alemão Rudolf Virchow afirmou que entre animais e a Medicina Humana não havia e nem deveria haver divisórias. Foi ele quem criou o termo zoonose para definir as doenças transmitidas pelos animais ao ser humano.

Dentro deste conceito, o médico-veterinário é reconhecido como peça-chave, com um leque amplo de atuação junto aos demais profissionais de saúde. Sua inserção nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF), a partir de 2012, foi determinante para o efetivo reconhecimento de sua contribuição na promoção da saúde. Entretanto, a atuação desses profissionais ainda é restrita. No Estado de São Paulo, que possui 645 municípios, há apenas 16 cidades com médicos-veterinários compondo as equipes dos Núcleos. Surpreendentemente, a Capital não faz parte desse rol.

“O NASF objetiva apoiar, assessorar e ampliar a oferta de saúde com bases multiprofissionais complementares, na análise, proposta e ação integradas e complementares. Neste contexto, a Medicina Veterinária pode contribuir de forma ampliada pela sua competência abrangente e sistêmica sobre os diversos fatores de riscos à saúde a que estão submetidas as comunidades dos municípios”, ressalta o médico-veterinário conselheiro e presidente da Comissão Técnica de Políticas Públicas (CTPP) do CRMV-SP, Carlos Augusto Donini.

A médica-veterinária Eukira Enilde Monzani reitera a importância do trabalho no NASF levando informações sobre zoonoses, vetores, doenças transmitidas por alimentos (DTA) e até em caso de desastres naturais. “Nosso trabalho envolve orientação individual e coletiva, palestras e ações educativas em escolas e empresas. E no âmbito das estratégias de saúde da família, visitas domiciliares em casos de sarna, piolho, arboviroses, maus-tratos, entre outros”, explica a profissional que participa, desde 2012, do NASF de Descalvado, primeira cidade de São Paulo a incluir o médico-veterinário em sua equipe.

A presidente da Comissão Técnica da Saúde Pública Veterinária (CTSPV) do CRMV-SP, Adriana Maria Lopes Vieira, destaca, ainda, que os Núcleos foram criados com a perspectiva de ampliar a capacidade de resposta à maior parte dos problemas de saúde da população na Atenção Básica (AB) com equipes multiprofissionais. “E a inclusão do médico-veterinário indica o reconhecimento da contribuição deste profissional no desenvolvimento de ações para promoção e preservação da Saúde Única”, avalia.

Falta conscientização. A importância da atuação do médico-veterinário dentro do conceito de Saúde Única é indiscutível e sua inclusão no NASF é irrevogável, mas ainda falta maior conscientização. De acordo com Carlos Augusto Donini, a Medicina Veterinária sempre contemplou a observação e intervenção organizada e conjunta entre as espécies animais, seus hábitos, habitat e suas relações, interesses e impactos sobre os humanos.

Para Adriana, a maior contribuição do médico-veterinário é atuar com competência e divulgar seu papel na efetivação de ações visando à Saúde Única, não apenas junto aos demais profissionais que atuam na área da saúde, mas aos de outras áreas, aos gestores e, principalmente, junto à população, uma vez que a sociedade ainda desconhece a amplitude de atuação da Medicina Veterinária.

Fonte: CRMV-SP, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

Seja o primeiro a comentar
Seu comentário foi enviado. Aguarde aprovação.
Erro ao enviar o comentário. Por favor, preencha o captcha e tente novamente.