Assine

Oftalmologista indica ferramenta para diagnóstico de cegueira

Ação facilita compreendimento de clínicos ao atender um paciente com o problema

Wellington Torres, em casa

wellington@ciasullieditores.com.br

A cegueira pode ser ocasionada por diferentes problemas, exigindo que o médico-veterinário responsável pelo atendimento clínico fique atento aos diferentes sinais apresentados pelo pet. O rápido diagnóstico agiliza o encaminhamento especializado para um oftalmologista, podendo, assim, oferecer melhor qualidade de vida ao animal.

De acordo com o médico-veterinário e oftalmologista Luciano Fernandes da Conceição, da Vet Optcs, a cegueira súbita pode ser ocasionada tanto por meio de intoxicação, quanto por tumores e neoplasias do sistema nervoso. Contudo, a dificuldade para diagnosticá-las varia consideravelmente.

Diagnóstico deve ser realizado rapidamente 
(foto: reprodução)

Entre as principais causas apresentadas pelo profissional, estão a catarata diabética, as uveítes, os glaucomas e as retinopatias adquiridas, que incluem a degeneração retiniana, causada principalmente pelo uso indiscriminado da enrofloxacina, hipertensões sistêmicas, coriorretinites e as neurites ópticas.

“Para conseguir diagnosticar todas elas, é necessário a realização do exame de fundo de olho, seja por meio do oftalmoscópio direto ou indireto. Ferramentas que possibilitam determinar o que está acontecendo naquela região, para que possamos entender o que levou o paciente a perder a visão”, explica.

Tendo como foco a análise inicial do paciente, que será levado a um clínico geral, o oftalmologista esclarece que ter conhecimento das ferramentas é primordial para assegurar a saúde do pet que será atendido, sendo elas de extrema necessidade.

“Mesmo que o profissional não tenha prática em analisar a região, o costume adquirido ao atender animais com o fundo de olho saudável fará com que identifique rapidamente qualquer anormalidade. Pode ser que não consiga especificá-la, mas entenderá que ali existe uma diferença, o encaminhando para a devida averiguação com um especialista”, afirma.

diaoftalmo
Relação entre clínico e especialista 
é imprescindível  (foto: reprodução)

Ainda segundo ele, a imagem que o oftalmoscópio apresenta possui uma extensão um pouco menor, porém possibilita a identificação de detalhes que, a olho desarmado, seria impossível, havendo uma outra ferramenta auxiliadora da análise, o panóptico. 

“Essa ferramenta oferece uma imagem intermediária, onde podemos ver em uma extensão um pouco maior, só que com menos detalhes e um menor aumento de imagem, se fazendo ideal a junção dos dois”, levanta o oftalmologista.

Ainda segundo Luciano, nessa junção, o oftalmoscópio indireto será utilizado para identificar a região alvo, enquanto o direto para se aprofundar, já que é responsável pela aproximação e definição da imagem.

Em comemoração ao dia 7 de maio, data referente ao Dia do Oftalmologista, a equipe cães&gatos parabeniza e agradece à todos os profissionais desse setor pelo valioso trabalho! 

Seja o primeiro a comentar
Seu comentário foi enviado. Aguarde aprovação.
Erro ao enviar o comentário. Por favor, preencha o captcha e tente novamente.