Assine

Prurido pode ser sinal de que algo não vai bem com os felinos

Profissional comenta as principais estratégias diagnósticas para o problema

Muitas vezes, o médico-veterinário encontra desafios para alcançar o diagnóstico de uma doença. Saber o que está acontecendo com o pet é uma das principais preocupações, também, do tutor que leva o animal à clínica. É isso que acontece com o prurido em gatos, conforme explica a médica-veterinária, mestranda em Ciência Animal com ênfase em Medicina de Felinos, pela Universidade Federal de Minas Gerais, Marina Moller Nogueira. 

Segundo ela, o prurido é definido como uma sensação desagradável que desencadeia no desejo de coçar. “Em gatos, o ato de coçar pode ser realizado pelas unhas ou por meio de lambedura e mordedura. Muitas vezes, os tutores não percebem que o felino está com prurido, pois esses animais tendem a esconder para coçar”, explica. 

Marina comenta que o prurido pode atingir felinos de qualquer idade. Além disso, segundo ela, ele não é uma doença e, sim, um sinal clínico. “Sempre que o gato apresentar prurido, deve-se procurar qual é a causa diagnóstica”, recomenda. 

Ela conta que, dependendo do histórico do felino, das lesões cutâneas que apresenta e do estado geral do paciente, o médico-veterinário vai suspeitar de causas específicas. “Quando a suspeita é de sarna notoédrica, por exemplo, realiza-se um raspado de pele superficial para buscar este parasito. Quando há suspeita de lesões do complexo das dermatoses eosinofílicas, que são comuns em pacientes alérgicos, é realizada citologia da pele, e encontrado, muitas vezes, grande concentração de eosinófilos, que são células presentes quando há reações de hipersensibilidade”, explica. 

Leia a reportagem completa na edição de novembro da C&G VF. Acesse aqui

Fonte: Redação Cães&Gatos VET FOOD. 

Seja o primeiro a comentar
Seu comentário foi enviado. Aguarde aprovação.
Erro ao enviar o comentário. Por favor, preencha o captcha e tente novamente.