Assine

Residência deve ser preparada para a chegada de um novo filhote

Antes de levar o pet para casa é fundamental livrar o ambiente de todos os riscos possíveis

Levar um novo pet para casa é uma experiência divertida e especial, mas é importante que o tutor tenha paciência, pois o cão precisa de um tempo para se adaptar. O filhote, nessa fase, está sentindo falta da mãe, dos seus irmãos e vai para um lugar estranho, com coisas, cheiros e pessoas diferentes. Por isso, é essencial que haja uma preparação do ambiente, assim ele se sente seguro e confortável no novo lar. 

Pensando nisto, a médica-veterinária da DogLicious e coordenadora de Comunicação Científica da Total Alimentos, Bárbara Benitez, listou algumas dicas para que o momento seja o mais tranquilo possível, para ambas as partes, e dá dicas de como preparar a casa antes da chegada do novo membro da família. 

O principal ponto é deixar a casa segura para o novo animal. Antes de levá-lo para o novo lar, a veterinária explica que o tutor deve ficar atento a alguns fatores. “Evite deixar fios elétricos, do celular ou de outros aparelhos eletrônicos soltos ou pendurados; produtos de limpeza, remédios e alimentos que podem ser tóxicos, precisam ficar em lugares altos, totalmente fora do alcance do filhote; nunca deixe o filhote solto no quintal caso tenha acesso livre à piscina”, enumera. Se houver outro animal, da mesma espécie ou não, o convívio deve ser aos poucos, conforme explicado por ela, por alguns momentos no dia e supervisionado no início. 

Se o cão for ficar livre no quintal, é importante ter um abrigo contra a chuva, vento e o frio, por isso, uma casinha é o mais adequado. “Caso o animal fique no ambiente interno da casa, basta escolher uma caminha que lhe agrade – há uma série de modelos e de materiais diferentes – e que seja confortável para o pet”, indica. 

Há vários modelos e tamanhos disponíveis de comedouro e bebedouro, portanto, é preciso considerar o porte do cão e o que mais se adapta a ele. “Lembre-se que é necessário ter dois potes: um para comida e outro para água e lavá-los diariamente. O cão deve ter sempre à disposição água fresca, por isso, coloque o pote na sombra, em um local que seja de fácil acesso para o filhote encontrar”, orienta. 

Brinquedos e guias. Filhotes têm muita energia e adoram brincar, por isso o uso de brinquedos os deixa entretidos e felizes e isso pode evitar que eles mastiguem objetos indesejados, como aquele sapato preferido. 

Outro fator mencionado pela profissional é que o animal não pode ir para a rua até tomar todas as vacinas, mas isso não impede o tutor de ensiná-lo a usar a guia e a coleira desde pequeno. “Você pode começar dentro de casa, assim ele já vai se acostumando. É ideal que antes de sair com o pet, seja colocado uma placa de identificação na coleira, assim será fácil identificá-lo caso ele se perca”, destaca. 

Além de todos os itens citados, a alimentação deve ser escolhida com carinho, pois é ela que vai auxiliar para que o crescimento do pet seja saudável e cheio de energia. Cada fase da vida tem uma alimentação indicada, desde os primeiros dias de vida, no caso de filhotes órfãos, até a fase adulta. “É importante escolher um alimento que se adeque, também, ao porte do animal e à raça, pois cada um deles tem uma necessidade nutricional específica”, explica. 

Além dos alimentos completos como a ração, o tutor pode oferecer petiscos, que podem ser ofertados ao animal como forma de recompensa, agrado ou para auxiliar no adestramento. Além disso, alguns snacks ajudam no controle do tártaro, auxiliando, portanto, na saúde bucal do cãozinho. Após a alimentação, é preciso escolher uma escova de dentes macia para o filhote se acostumar aos poucos. A escovação deve ser feita, no mínimo, uma vez por semana. 

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

Seja o primeiro a comentar
Seu comentário foi enviado. Aguarde aprovação.
Erro ao enviar o comentário. Por favor, preencha o captcha e tente novamente.