Assine

Uso racional da transfusão sanguínea pode salvar a vida de gatos

Anemia é o principal distúrbio hematológico em felinos e requer procedimento

Muitos tópicos são importantes quando o assunto é tratamento de emergências médicas e cirúrgicas de diversas origens nos gatos e a transfusão sanguínea é uma delas e pode ser considerada indispensável em alguns casos. No entanto, o uso racional do sangue e de seus componentes é fundamental, por envolver um processo biológico que não é completamente isento de riscos. 

O objetivo fundamental do procedimento é estabilizar o doente até que seja possível alcançar o diagnóstico definitivo e corrigir a causa de base. Sua realização deve ser precedida de um plano de ação criterioso, com a seleção adequada dos doadores e o processamento e armazenamento corretos do sangue e seus componentes. 

A principal meta terapêutica da transfusão sanguínea é fornecer ao receptor um aporte de hemácias capaz de aumentar o seu hematócrito (Ht) e, assim, restabelecer a entrega de oxigênio (DO2) para os tecidos. Considerando que a anemia é o principal distúrbio hematológico em felinos, esta é a principal indicação de transfusão para a espécie. Além disso, ela também possibilita a transferência de outros componentes sanguíneos como os fatores de coagulação por meio da transfusão de plasma. 

Para a realização, é preciso se atentar a um exame clínico completo, assim como a realização de exames laboratoriais, incluindo hemograma e análise bioquímica renal e hepática, para detectar qualquer alteração de saúde do doador, que possa contraindicar o procedimento. A retirada de sangue de gatos acometidos por doença renal está absolutamente contraindicada devido ao potencial comprometimento adicional pela redução da perfusão renal. É importante garantir a ausência de agentes infecciosos como FIV (vírus da imunodeficiência felina), FeLV (Leucemia viral felina) e Mycoplasma spp. hemotrópicas como, também, de ectoparasitas. Além disso, é desejável que os gatos doadores sejam mantidos dentro de casa, sem contato com outros animais. 

Leia aqui o artigo completo, publicado na edição deste mês da C&G VF. 

Fonte: Redação Cães&Gatos VET FOOD. 

Seja o primeiro a comentar
Seu comentário foi enviado. Aguarde aprovação.
Erro ao enviar o comentário. Por favor, preencha o captcha e tente novamente.