Assine

Verão requer cuidados redobrados e brincadeiras adaptadas com pets

Colocar a bolinha do cão no freezer, por exemplo, dará mais prazer ao animal

O Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo (CRMV-SP) reforça os cuidados que devem ser tomados com os pets durante os meses mais quentes, que se prolongam até o fim de março. 

O médico-veterinário presidente da Comissão de Políticas Públicas do CRMV-SP, Carlos Augusto Donini, ressalta que cães e gatos possuem uma grande capacidade de adaptação às variações de frio e calor e informa que, para a maioria das 430 raças de cães e 54 raças de gatos, a faixa de conforto térmico encontra-se entre 10°C e 30°C de temperatura ambiente. 

Dentro desta faixa, de acordo com ele, os pets conseguem adaptar-se perfeitamente ativando seus sistemas de termorregulação, que dependem interativamente da pelagem original, da pele, da respiração, da circulação e dos rins. “Gatos são mais resistentes e hábeis na adaptação, cães são mais frágeis (por serem mais dependentes dos humanos)”, explica Donini.

Para os animais idosos e obesos, o profissional recomenda atenção especial: “É importante que um médico-veterinário possa avaliar se o organismo não está comprometido e indicar os procedimentos que garantam o bom e rápido equilíbrio do animal para esta estação”, insere. 

Dicas para um verão saudável. Espalhar mais vasilhas de água pela casa é essencial e, durante os passeios, também levar água e fazer paradas para permitir a hidratação. Outro ponto levantado pelo profissional é que os passeios devem ser em horários mais frescos, evitando saídas entre as 10h e 15h. “Em relação à alimentação, é natural que os animais consumam quantidades um pouco menores de comida”, adiciona. 

É importante, também, os animais ficarem em ambientes arejados: “Tentar colocar as caminhas em diferentes pontos da casa, onde possa ser mais refrescante para o animal deitar e descansar”, orienta a médica-veterinária presidente da Comissão de Bem-Estar Animal do CRMV-SP, Cristiane Pizzutto. 

O tutor deve observar se o pet está ofegante, com a respiração acelerada, ou se está ficando muito tempo com a língua para fora. “Nestes casos, é preciso parar, fazê-lo beber água e deixá-lo descansar. Sobre esse aspecto, os médicos-veterinários recomendam ainda mais cautela em relação às espécies que têm focinho mais achatado”, orienta Cristiane. 

Donini também alerta para a periodicidade de banhos e de escovação: “Banhos com água em temperatura ambiente podem ajudar (quando estiver mais de 34°C), mas a escovação com mais frequência (no sentido contrário do pelo, de trás para frente) proporciona melhores resultados no equilíbrio e conforto térmico”, esclarece. O médico-veterinário também poderá orientar o melhor manejo das tosas, conforme a pelagem do pet. 

Os cuidados para evitar acidentes com parasitas e animais peçonhentos devem ser redobrados no verão, mas tudo sem atrapalhar os dias de descanso do tutor em companhia de seu pet: “Não deixe de brincar com o animal durante o tempo livre. Para o pet que está acostumado a brincar com bolinhas ou mordedores, o tutor pode colocá-los no freezer para ficarem mais geladinhos e o animal ter mais prazer ao brincar”, comenta Cristiane. 

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

Seja o primeiro a comentar
Seu comentário foi enviado. Aguarde aprovação.
Erro ao enviar o comentário. Por favor, preencha o captcha e tente novamente.