Assine

Novos casos de suicídio de veterinárias chamam atenção de profissionais

Desgastes emocional e físico pode resultar na Síndrome de Burnout

A notícia do suicídio de duas médicas-veterinárias do Hospital Santa Barbara Animal (Florida) está abalando a classe. Tiffany Margolin, que se dedicava ao tratamento de animais com acupunctura, faleceu o ano passado, enquanto Amanda Lumsden, que fazia esterilizações e castrações low-cost, cometeu suicídio em fevereiro deste ano. 

A notícia chocou colegas, que referiram nunca terem percebido qualquer sinal de estresse ou esgotamento. A morte das profissionais é mais uma chamada de atenção ao problema grave que afeta a profissão. Vários estudos chamaram atenção para taxas particularmente elevadas de depressão, ansiedade e burnout na classe médico-veterinária, com muitos profissionais a optar por tirar a própria vida. 

burnout
Exaustão pode, também, estar relacionada à vida
pessoal do veterinário (Foto: reprodução)

Um estudo realizado na Universidade do Oregon, nos EUA, revelou que 87% dos profissionais de saúde, de um total de 2 mil pessoas que responderam a um inquérito, sentem-se “exaustos”. 

Em Portugal, o mesmo assunto também mereceu destaque e foi realizado um estudo com os veterinários portugueses: “As pessoas esperam que o veterinário faça milagres”, declarou a veterinária do Santa Barbara’s Coastal Mobile Veterinary (Portugal), Lex McKenna. Segundo ela, esses profissionais estão em uma indústria muito emocional para eles e para os clientes. “Lidamos com seres muito queridos para as pessoas e mais, os médicos-veterinários são motivados para resolver todo o tipo de doenças e, quando não conseguem tratar o animal, é muito difícil lidar com isso. Especialmente quando perdem muitos pacientes”, afirma. 

Também não é incomum os médicos veterinários trabalharem 12 a 14 horas por dia, especialmente para ajudar o maior número de animais que conseguirem, como Lex conta. Para ela, a sociedade habituou-se aos serviços no imediato e gratificação instantânea e nem sempre é possível fazer isso. 

Essa realidade pode levar os profissionais a apresentarem a chamada Síndrome de Burnout, como mostrado pela C&G VF em reportagem especial sobre o tema. Segundo o psicólogo, mestrando pelo Programa de Pós-graduação de Psicologia Clínica da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), Vitor Hugo Costa, ela é compreendida como uma síndrome psicológica oriunda da exposição prolongada aos estressores do ambiente de trabalho. 

Em resposta ao suicídio das duas veterinárias, o Santa Barbara Ventura Veterinary Medical Association (EUA) organizou uma reunião de emergência e convocou a psicóloga Kathleen Ayl, que referiu que é vital falar sobre o assunto, especialmente para os mais jovens que estão pensando em seguir a profissão.

Fonte: Veterinária Atual, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

Seja o primeiro a comentar
Seu comentário foi enviado. Aguarde aprovação.
Erro ao enviar o comentário. Por favor, preencha o captcha e tente novamente.