Assine

Técnicas da fisioterapia auxiliam tratamentos além da ortopedia de pets

Especialidades, como endocrinologia e dermatologia, podem usufruir do método

Atualmente, os tutores de animais de companhia estão mais preocupados com a saúde de seus pets. Assim, a fisioterapia tem ganhado mais espaço e mostrado que pode ser uma grande aliada em tratamentos complementares de diversos problemas de saúde. 

De acordo com a médica-veterinária, especializada em reabilitação animal e fisioterapeuta da Fisio Care Pet (São Paulo/SP), Marina Marques Bonando, a fisioterapia veterinária pode ser utilizada para auxiliar a recuperação dos pets com diversos tipos de enfermidade como, por exemplo, problemas endocrinológicos, dermatológicos, ortopédicos, neurológicos e em casos de obesidade. 

Segundo ela, em casos de obesidade, de origem endocrinológica ou não, a fisioterapia auxilia no condicionamento cardiorrespiratório e no incremento do gasto calórico, possibilitado de uma forma mais segura, com menor sobrecarga articular e redução dos impactos, como é o caso da utilização da esteira-subaquática, conhecida como hidroterapia. 

A profissional ainda menciona que, na área da Dermatologia Veterinária de pequenos animais, a fisioterapia ainda é pouco explorada, porém ótimos resultados podem ser alcançados no tratamento de feridas de difícil cicatrização e na resolução de aderências em cicatrizes cirúrgicas. Diversas são as técnicas que podem ser empregadas, como a laserterapia e o ultrassom terapêutico, além de técnicas de massoterapia. 

A médica-veterinária, especializada em Dermatologia, Fernanda Oliveira Ramos, conta que a ozonioterapia é muito utilizada na Europa e na Ásia, tem potencial antibactericida, é uma terapia coadjuvante para analgesias e tem ação cicatrizante de feridas complexas. “Existem várias formas de aplicação do ozônio, dentre elas, via endovenosa com soro ozonizado, bagging e pontos de acupuntura. Eu utilizo para cicatrizar de feridas, em animais que têm dificuldade de cicatrização, como pets diabéticos e idosos”, diz. 

Leia a reportagem completa na editoria Zoom, da edição de outubro da C&G VF. Clique aqui.

Fonte: Redação Cães&Gatos VET FOOD. 

Seja o primeiro a comentar
Seu comentário foi enviado. Aguarde aprovação.
Erro ao enviar o comentário. Por favor, preencha o captcha e tente novamente.