Cães e gatos logo

Buscar na cães e gatos

Pesquisar
Close this search box.
- PUBLICIDADE -
Marketing e Produtos

Agosto Verde: Médico-veterinário da Vetoquinol fala sobre leishmaniose visceral

Por Equipe Cães&Gatos
leishmaniose
Por Equipe Cães&Gatos

Agosto é o mês de conscientização sobre a prevenção da leishmaniose visceral, doença bastante comum em cães no País. “O problema é ainda maior pois, por ser uma zoonose, ela também afeta a vida humana”, explica o médico-veterinário e gerente técnico de marketing de animais de companhia da Vetoquinol Saúde Animal, Jaime Dias. 

De acordo com o Ministério da Saúde, mais de 16 mil casos foram registrados entre 2016 e 2020, resultando em mais de 1,2 mil mortes em praticamente todos os estados do Brasil. Para cada caso confirmado em pessoas, estima-se que existam 200 cães infectados. 

“A leishmaniose visceral é provocada por um protozoário do gênero Leishmania, transmitido pela picada do mosquito-palha, cujo nome científico é Lutzomyia longipalpis. Esse mosquito está presente em todas as regiões. Eles costumam picar cães e as pessoas para se alimentar, transmitindo desta forma a doença “, detalha o médico-veterinário.  

leishmaniose
Para prevenir a leishmaniose visceral, é preciso manter o mosquito-palha longe dos pets, quebrando o ciclo de transmissão de cão para cão e de cães para seres humanos (Foto: Reprodução)

Para identificar a doença nos cães, alguns sintomas podem servir de alerta: desânimo, fraqueza, perda de apetite, emagrecimento progressivo, perda de massa muscular, descamações na pele, feridas no focinho, orelhas, região das articulações e cauda, além de perda de pelos, crescimento exagerado das unhas, vômito e diarreia. Todo esse conjunto de sintomas afeta sensivelmente a qualidade de vida dos cães, podendo inclusive evoluir para sua morte. 

“Identificar a doença não é tão simples, além dos sinais clínicos, exames laboratoriais são importantes para confirmar a suspeita desta grave enfermidade que também pode acometer importantes órgãos internos como baço, fígado e rins. Por isso, a prevenção da doença se torna essencial, assim como a consulta periódica a um médico-veterinário, evitando sofrimento aos nossos tão fiéis companheiros”, destaca o especialista da Vetoquinol. 

Para prevenir a leishmaniose visceral, é preciso manter o mosquito-palha longe dos pets, quebrando o ciclo de transmissão de cão para cão e de cães para seres humanos. O método mais eficaz para ter sucesso nessa empreitada é utilizar coleiras antiparasitárias. Elas são indispensáveis para o controle da doença, tendo em vista sua praticidade e eficácia. Em alguns municípios elas fazem parte de campanhas públicas do controle da leishmaniose visceral. 

Para auxiliar no combate à leishmaniose visceral, a Vetoquinol desenvolveu a Frontmax, a única coleira disponível no mercado que protege os cães por até 8 meses contra o mosquito transmissor da leishmaniose, além de pulgas e carrapatos. Esta coleira antiparasitária tem combinação exclusiva de três princípios ativos, que ficam em contato com a gordura da pele e com os pelos do animal, o protegendo. 

“Baseamos nosso trabalho em ciência e inovação. Frontmax Coleira foi desenvolvida com o uso de termopolímeros que impedem a oxidação dos princípios ativos quando expostos à luz solar, além de dermocosméticos que contribuem para a redução das possíveis reações de pele. Resistente à água e sem cheiro, a coleira é indicada para cães de todas as raças”, informa a gerente da unidade de negócios de animais de companhia da Vetoquinol, Yolanda Antunes.  

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Pets com leishmaniose podem ter uma vida normal, desde que tratados adequadamente

Alimento úmido pode auxiliar na ingestão de água, que deve ser estimulada entre os felinos

Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro divulga informe sobre profilaxia da raiva humana

Compartilhe este artigo agora no