in

Artigo aborda estimulantes de apetite e quando usá-los nos animais de companhia

A falta de apetite nos animais é o que mais levam os tutores a procurar o veterinário

A fisiologia da alimentação é um processo complexo e multifatorial que é controlado por diversos mecanismos que envolvem o sistema nervoso central e a atividade de órgãos que participam na homeostase energética. De maneira geral, o organismo tenta controlar esse balanço energético mandando sinais para o sistema nervoso central que vão induzir à alimentação (sinais orexigênicos) ou gerar a saciedade (sinais anorexigênicos). O intuito do balanço entre esses sinais é que o animal mantenha um peso corporal estável. Porém, na presença de doenças agudas ou crônicas, o controle nervoso da ingestão de alimento está alterado devido à inflamação, ocorrendo, então, descontrole entre sinais orexigênicos e anorexigênicos. De tal forma que haverá redução da ingestão calórica e perda de peso.

A falta de apetite nos pets é um dos sinais clínicos mais comumente observados por tutores que os levam a procurar o auxílio do médico-veterinário. Esta, pode ser parcial (hiporexia) ou total (anorexia) e pode ser ocasionada por diversos fatores: sejam eles fatores ambientais/comportamentais, relacionados à alguma doença de base ou, até mesmo, ocorrer devido ao uso de medicações que gerem a perda de apetite/náusea. Porém, independentemente da causa da
hiporexia ou anorexia, é de fundamental importância que haja o reestabelecimento do balanço energético e que o animal volte a se alimentar adequadamente o mais rápido possível.

Em diversos estudos, já foi observado que animais que tiveram suporte nutricional adequado durante o período de hospitalização, também apresentaram alta hospitalar mais rápida. Deste modo, segundo as diretrizes nutricionais do World Small Animal Veterinary Association, animais que estão há três ou mais dias com hiporexia/anorexia são elegíveis à colocação de sondas de alimentação. Entretanto, mesmo em períodos inferiores a este (< 3 dias) em que a alimentação do animal não está adequada já é aconselhável o controle da ingestão calórica e o suporte nutricional. Em tais ocasiões os orexígenos ou, mais comumente conhecidos como estimulantes de apetite, podem ser utilizados.

Historicamente, diversas medicações (esteróides anabolizantes, corticoesteróides, bezodiazepinas) já foram utilizadas como estimulantes de apetite de forma arbitrária. Apesar de que tais medicações apresentem um efeito orexígeno secundário, elas também apresentam diversos efeitos adversos e o seu uso para tal finalidade não deve ser recomendado. Devido a isso, neste artigo, tais medicações não serão abordadas. Porém, há alguns anos, outras medicações, consideradas mais seguras, estão sendo utilizadas devido à potencial ação orexigênica.

O artigo completo pode ser encontrado na edição 267 da nossa revista on-line. Clique aqui.

LEIA TAMBÉM:

Veterinária negra narra episódio de racismo e como recebeu auxílio do Afrovet

Profissionais da Medicina Veterinária não podem oferecer promoções de Black Friday

Veterinários e varejo pet aceleram utilização de ferramentas digitais para atingir clientes

(Foto: C&G VF)

Referências bibliográficas

[1] L. N. Johnson and L. M. Freeman, “Recognizing, describing, and managing reduced food intake in dogs and cats, ”https://doi.org/10.2460/javma.251.11.1260, vol. 251, no. 11, pp. 1260–1266, Nov. 2017.
[2] M. A. Brunetto et al., “Effects of nutritional support on hospital outcome in dogs and cats,” J. Vet. Emerg. Crit. Care, vol. 20, no. 2, pp. 224–231, Apr. 2010.
[3] A. C. Carcioti, M. A. Brunetto, M. O. Sampaio Gomes, and M. R. André, “Nutritional support and outcome in hospitalized dogs and cats,” Scopus, p. 67, Apr. 2006.
[4] L. Freeman et al., “WSAVA Nutritional Assessment Guidelines:,” http://dx.doi.org/10.1016/j.jfms.2011.05.009, vol. 13, no. 7, pp. 516–525, Jul. 2011.
[5] N. CR, B. DM, E. T, G. C, and R. M, “Disposition of cyproheptadine in cats after intravenous or oral administration of a single dose.,” Am. J. Vet. Res., vol. 59, no. 1, pp. 79–81, Jan. 1998.
[6] R. L. Fitzpatrick et al., “In vivo and in vitro assessment of mirtazapine pharmacokinetics in cats with liver disease,” J. Vet. Intern. Med., vol. 32, no. 6, p. 1951, Nov. 2018.
[7] J. M. Quimby et al., “Assessment of compounded transdermal mirtazapine as an appetite stimulant in cats with chronic kidney disease,” J. Feline Med. Surg., vol. 22, no. 4, pp. 376–383, Apr. 2020.
[8] J. M. Quimby, D. L. Gustafson, B. J. Samber, and K. F. Lunn, “Studies on the pharmacokinetics and pharmacodynamics of mirtazapine in healthy young cats,” J. Vet. Pharmacol. Ther., vol. 34, no. 4, pp. 388–396, Aug. 2011.
[9] J. M. Quimby et al., “Assessment of compounded transdermal mirtazapine as an appetite stimulant in cats with chronic kidney disease:,” https://doi.org/10.1177/1098612X19851303, vol. 22, no. 4, pp. 376–383, Jun. 2019.
[10] M. Poole, J. M. Quimby, T. Hu, D. Labelle, and W. Buhles, “A double-blind, placebo-controlled, randomized study to evaluate the weight gain drug, mirtazapine transdermal ointment, in cats with unintended weight loss,” J. Vet. Pharmacol. Ther., vol. 42, no. 2, pp. 179–188, Mar. 2019.
[11] M. Poole, J. M. Quimby, T. Hu, D. Labelle, and W. Buhles, “A double-blind, placebo-controlled, randomized study to evaluate the weight gain drug, mirtazapine transdermal ointment, in cats with unintended weight loss,” J. Vet. Pharmacol. Ther., vol. 42, no. 2, pp. 179–188, Mar. 2019.
[12] J. M. Quimby and K. F. Lunn, “Mirtazapine as an appetite stimulant and anti-emetic in cats with chronic kidney disease: A masked placebo-controlled crossover clinical trial,” Vet. J., vol. 197, no. 3, pp. 651–655, Sep. 2013.
[13] B. Zollers, L. Rhodes, and R. G. Smith, “Capromorelin increases food consumption, body weight, growth hormone, and sustained insulin-like growth factor 1 concentrations when administered to healthy adult Beagle dogs,” J. Vet. Pharmacol. Ther., vol. 40, no. 2, pp. 140–147, Apr. 2017.
[14] Z. B, R. L, and H. E, “Capromorelin oral solution (ENTYCE®) increases food consumption and body weight when administered for 4 consecutive days to healthy adult Beagle dogs in a randomized, masked, placebo controlled study,” BMC Vet. Res., vol. 13, no. 1, Jan. 2017.
[15] J. A. Wofford, B. Zollers, L. Rhodes, M. Bell, and E. Heinen, “Evaluation of the safety of daily administration of capromorelin in cats,” J. Vet. Pharmacol. Ther., vol. 41, no. 2, pp. 324–333, Apr. 2018.
[16] “Aratana Therapeutics Announces Positive Pilot Field Study of AT-002 in Cats.” [Online]. Available:
https://www.prnewswire.com/news-releases/aratana-therapeutics-announces-positive-pilot-field-study-of-at-002-in-cats-300118789.html. [Accessed: 12-Oct-2021].

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

feira de negócios

Promotora de eventos reunirá mais de 800 empresas em pavilhões do São Paulo Expo

nova tecnologia CRMV-SP

Novo sistema de software do CRMV-SP auxiliará o dia a dia de profissionais