in

Banho terapêutico para tratamento de dermatopatias oferece bons resultados aos pets

No entanto, os pontos positivos deixam de existir se não for executado da maneira correta

Ter mecanismos dos mais simples ao mais avançados para tratar as dermatopatias se faz necessário. Entre os tratamentos que estão disponíveis na clínica dermatológica está o banho terapêutico. Mas o que diferencia um banho “comum” de um terapêutico? Entrevistamos algumas profissionais para falar sobre o tema.

De acordo com a médica-veterinária especialista em Dermatologia, sócia-proprietária da Clínica Veterinária Metazooa é Secretária Geral da Soceidade Brasileira de Dermatologia Veterinária (SBDV), Cristina Sartorato, o banho terapêutico é um tratamento e, como tal, deve ser prescrito por médico-veterinário capaz de avaliar as condições e necessidades do paciente.  “É um recurso de grande valia, pois o paciente pode ser beneficiado da ação direta dos princípios ativos na pele, diminuindo o impacto sistêmico e a interferência de processos metabólicos”, afirma e completa que a arte da escolha dos ativos requer conhecimento e experiência clínica, evitando interações físico-químicas que afetem a efetividade da formulação.

A médica-veterinária, mestra em Dermatologia, sócia-proprietária da Clindog, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia Veterinária (SBDV), Simoni Maruyama, comenta que o banho terapêutico é caracterizado pelo uso de xampus, sabonetes e soluções, com a finalidade de tratamento de diversas dermatopatias. “Deve ser, também, associado às medidas adequadas como: temperatura ideal da água e do ambiente, tempo de imersão com o produto e, consequentemente, secagem adequada”.

A médica-veterinária, pós-graduada em Dermatologia Veterinária, diretora Social da SBDV, Camila São Bernardo, afirma que, atualmente, o tratamento tópico com banhos terapêuticos é uma das melhores ferramentas existentes para o controle de infecções e inflamações na pele.

Cristina Sartorato complementa que, na rotina clínica, são poucas as chances que se tem de utilizar um tratamento no foco direto da lesão. “Dessa forma, na Dermatologia, podemos e devemos usar e abusar desse recurso; os banhos terapêuticos atuam diretamente na pele de maneira abrangente, promovendo a ação de agentes calmantes, repondo água e lipídeos, controlando processos infecciosos, regulando as funções glandulares e quadros descamativos, entre outras tantas funções que esse recurso proporciona”, diz.

Para conferir os cuidados desse procedimento e quem pode fazer, leia a reportagem completa, gratuitamente, na edição de fevereiro da C&G VF. Clique aqui.

Fonte: Redação Cães&Gatos VET FOOD. 

LEIA TAMBÉM:

Unesp Jaboticabal oferece atendimentos em cuidados paliativos para pets

Projeto que monitora onça-parda na Mata Atlântica ajuda a entender o comportamento da espécie

Fernando de Noronha: Trabalho em equipe garante manejo de gatos com método CED

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Londres: novo estudo publicado revela as doenças mais recorrentes em cães

Gestores: CFMV promove novo encontro a fim de melhor integrar os regionais