in

Boa alimentação é fundamental para prevenir doenças em todas as fases da vida dos pets

Veterinário cita e explica as quatro doenças mais comuns em cães e gatos e como evitá-las

Diversas doenças podem surgir ao longo da vida de cães e gatos. Alergia alimentar, diabetes, doença renal crônica e insuficiência cardíaca são alguns dos problemas de saúde que podem afetar e comprometer a qualidade de vida dos pets. 

Assim como para os seres humanos, uma boa alimentação também é fundamental para manter a saúde de cães e gatos e prevenir essas e outras doenças em todas as fases da vida. “Um alimento de alta qualidade é o principal responsável por fornecer importantes ingredientes que servem de base para o bom desenvolvimento do sistema de defesa do organismo. Ou seja, um animal mal nutrido fica muito mais vulnerável a enfermidades”, afirma o médico-veterinário supervisor de Capacitação Técnico-Científica da PremieRpet, Flavio Silva. 

Com a doença já existente, é importante que o pet seja corretamente diagnosticado, tratado com o acompanhamento do médico-veterinário e tenha sua alimentação adaptada de acordo com suas necessidades.

Flavio Silva explica algumas das doenças que afetam os pets e dá dicas de como prevenir e tratá-las, começando pela alergia alimentar, que é uma resposta imunológica à ingestão de um alimento, causando hipersensibilidade. “Pode surgir em cães e gatos de todas as idades e raças e os sinais clínicos mais comuns são: coceira intensa, vermelhidão na pele e disfunções gastrointestinais, como vômitos e diarreia”, enumera.

Não existe prevenção para a alergia alimentar. Por isso, é recomendado o acompanhamento médico contínuo para garantir o bem-estar do animal e a identificação rápida de qualquer alteração no organismo. “Com o acompanhamento veterinário, é fundamental substituir a dieta por um alimento hipoalergênico, com menor potencial de causar alergia e que reduza a possibilidade de ocorrência dos sintomas”, destaca.

Outro problema recorrente nos pets é o diabetes, que está associado ao impedimento da insulina se ligar à célula ou à deficiência na produção de insulina, hormônio responsável pela regulação da glicose, principal fonte de energia do organismo. “Os sintomas mais frequentes em animais são: sede excessiva, maior produção de urina, aumento do apetite e perda de peso. Apesar do diabetes ser predominante genético, no caso dos gatos, a prevenção pode ser feita controlando a alimentação do pet para evitar a obesidade”, explica o veterinário.

O tratamento varia de acordo com o tipo de Diabetes e o quadro de cada animal, por isso é imprescindível o acompanhamento de um profissional. “Além da medicação com insulina, os alimentos coadjuvantes irão fornecer os nutrientes e calorias necessárias ao pet, além de minimizar as oscilações do açúcar no sangue e ajudar no controle do peso”, dicorre.

Os ingredientes de um alimento de qualidade servem de base para o bom desenvolvimento do sistema de defesa do organismo (Foto: reprodução)

Já a doença renal crônica é caracterizada pela perda da função dos rins e compromete a função de filtrar o sangue. É classificada em aguda ou crônica e pode surgir em cães e gatos, na maioria das vezes já idosos. “Os principais sintomas são: aumento da ingestão de água, aumento da frequência de micção e volume da urina, indisposição, falta de apetite, emagrecimento, vômitos e/ou diarreia com sangue e mau hálito. O diagnóstico precoce é a melhor forma de prevenir os problemas renais. Além disso, hábitos saudáveis e uma boa alimentação são essenciais para diminuir a probabilidade de ocorrência da doença”, afirma.

Pets com doença renal crônica moderada podem ser tratados em casa conforme orientação especializada, com medicamentos e dieta apropriada. Segundo Silva, a alimentação é um importante coadjuvante no tratamento e ajuda a diminuir a progressão da doença e proteger o tecido renal que ainda permanece saudável.

A Insuficiência Cardíaca Congestiva, ou ICC, é a principal consequência das doenças cardíacas em cães, e ocorre quando o coração não está bombeando sangue suficiente para atender às necessidades do organismo. “Como resultado, pode ocorrer acúmulo de líquido nos pulmões, abdômen e em outros tecidos do corpo. Tosse seca, dificuldade para respirar, cansaço, falta de apetite e perda de peso são os sintomas mais alarmantes e exigem avaliação do médico-veterinário”, alerta.

A avaliação periódica com um veterinário é a principal medida preventiva, principalmente para os pets em idade mais avançada. “A nutrição clínica do cão cardiopata deve fornecer quantidades adequadas de proteínas para preservar a massa muscular, além de manter o sódio em níveis moderados para evitar que, em uma tentativa de compensar o problema cardíaco, o organismo comece a reter sódio e tentar aumentar a pressão sanguínea”, esclarece.

Apesar dos sinais possíveis de perceber que há algo errado com o animal, Silva destaca: “Cada pet é único e tem necessidades específicas de acordo com sua faixa etária, porte, raça e estilo de vida. Por isso, é importante ter sempre o acompanhamento de um médico-veterinário e seguir as indicações medicamentosas e alimentares prescritas de acordo com o histórico de saúde do animal”. 

A oferta abundante de água limpa e fresca, carinho, atenção e atividades também são imprescindíveis para a saúde e qualidade de vida dos pets.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Apesar de decreto estadual, CRMV-SP recomenda uso de máscaras em clínicas veterinárias

Médicos-veterinários peritos auxiliam no combate aos maus-tratos aos animais

CRMVs recebem indicações de veterinários militares para a Comenda Muniz de Aragão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

criança e cachorro

Veterinária destaca os benefícios da relação entre pets e crianças e alerta sobre as responsabilidades

evento on-line

FMVZ-Unesp realiza evento sobre experiências profissionais para inspirar graduandos