in

Brasil está entre os países com maior potencial para descoberta de novas espécies no mundo

Um pesquisador brasileiro se uniu com um alemão para investigar espécies desconhecidas

Estima-se que o planeta Terra é povoado por algo em torno de 10 milhões de espécies, mas, dessas, a ciência conhece formalmente apenas 1,5 milhão, menos de um quinto desse total. Quem são e onde estão esses milhares de desconhecidos com quem dividimos o mundo? Movido por essa curiosidade, o biólogo brasileiro Mario Moura, da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), liderou uma pesquisa com o objetivo de mapear as áreas potenciais que abrigam espécies ainda desconhecidas de vertebrados terrestres.

Moura contou com o apoio do alemão Walter Jetz, do Departamento de Ecologia e Biologia Evolucionária da Universidade de Yale. Juntos, eles desenvolveram um modelo que calcula a probabilidade de descobertas pelo mundo e que revelou que 60% das espécies ainda desconhecidas estão em florestas tropicais como a Mata Atlântica e a Amazônia.

Segundo os resultados obtidos pela dupla de pesquisadores, apenas 10 regiões do planeta concentram 70% de toda a biodiversidade desconhecida e os países com maior potencial de espécies não descritas são Brasil, Indonésia, Madagascar e Colômbia. Apenas estes quatro países somam 25% de todas as futuras descobertas, sendo o Brasil sozinho responsável por cerca de 10% delas.

Estudo poderá orientar novas pesquisas em taxonomia e acelerar a descoberta de bichos (Foto: reprodução)

A análise realizada pelo estudo contemplou cerca de 32 mil espécies de vertebrados terrestres – anfíbios, répteis, aves e mamíferos. Para construir o modelo, os pesquisadores levaram em conta que diferentes espécies possuem diferentes chances de serem descobertas e algumas características podem facilitar ou dificultar isso, portanto compilaram ao longo de mais de dois anos informações sobre biologia, tamanho, geografia, condições climáticas e até a quantidade de especialistas que estudam cada espécie. A soma desses dados permitiu mapear as regiões do mundo e antecipar quem são e onde estão essas espécies desconhecidas.

“Quando as futuras descobertas são analisadas por tipo de animal, temos que 48% das novas descobertas serão de répteis (lagartixas, serpentes, lagartos), 30% de anfíbios (principalmente sapo, perereca, e rãs que ocorrem no chão de florestas), 15% de mamíferos (principalmente roedores e morcegos), e 6% de aves (principalmente corujas)”, destaca Mario Moura.

O biólogo reforça, ainda, que o estudo poderá orientar novas pesquisas em taxonomia e acelerar a descoberta de bichos. “Espécies sem uma descrição formal não podem ser avaliadas e categorizadas com relação ao seu nível de ameaça. Para conservar, é preciso conhecer”, acrescenta.

Os resultados completos da pesquisa foram publicados em artigo na revista científica Nature Ecology and Evolution nesta segunda-feira (22), com o título Shortfalls and opportunities in terrestrial vertebrate species discovery (em português, dificuldades e oportunidades na descoberta de espécies de vertebrados terrestres).

A pesquisa faz parte do projeto Map of Life (Mapa da vida), que tem como objetivo mapear a distribuição de todos os seres vivos do planeta e também foi desenvolvido um mapa interativo online com os resultados do estudo, que pode ser explorado neste link. A pesquisa foi financiada pela National Science Foundation, NASA, National Geographic e E. O. Wilson Biodiversity Foundation.

Fonte: O Eco, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

MSD Saúde Animal promove encontros on-line que marcam lançamento de nova campanha

Por unanimidade, Projeto de Lei elaborado em Porto Alegre proíbe corrida de cães

Veterinários lançam livro com foco na elaboração de campanhas de vacinação contra a Raiva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MSD Saúde Animal promove encontros on-line que marcam lançamento de nova campanha

Veterinários do CRMV-SP orientam como evitar a intoxicação de pets pela ingestão de chocolate