in ,

Cães com câncer na região anal podem ajudar na busca da cura do câncer em animais e humanos

Pesquisa é conduzida pela doutoranda Karina D’Angelo Campos, na FMVZ-USP

Se você possui um cão com câncer anal e que ainda não recebeu nenhum tratamento, ele pode ajudar a Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, da Universidade de São Paulo (FMVZ-USP) na investigação sobre cura de câncer em animais e humanos. A pesquisa, que é conduzida pela doutoranda Karina D’Angelo Campos, tem como orientadora a professora Denise Tabacchi Fantoni e está sendo desenvolvida no Departamento de Cirurgia (VCI).

O objetivo do estudo é avaliar tumores perianais em cães e os efeitos de diferentes medicamentos anestésicos e analgésicos sobre a recuperação pós-cirúrgica e o sistema imunológico, além de investigar se existe correlação entre esses aspectos e o prognóstico da doença.

Podem participar cães de todas raças, gêneros e idades, desde que apresentem câncer suspeito ou confirmado na região anal (nódulo ou massa próximo ao ânus) e que ainda não tenham recebido tratamento. Devem ter comportamento dócil ou não muito agressivo, e que não estejam acometidos de doenças crônicas avançadas, como doença cardíaca ou renal, entre outras.

Os tutores que quiserem incluir seus animais na pesquisa devem entrar em contato com a pesquisadora pelo número (11) 960320242, até o dia 15 de maio, para obter mais informações para avaliação.

Fonte: FMVZ-USP, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Justiça determina que elefante Sandro permaneça no Zoológico de Sorocaba, interior de SP

Uso de cannabis para tratamento animal deve passar por autorização judicial

CFMV habilita entidade para concessão de Título de Especialista em Endocrinologia Veterinária

(Foto: reprodução)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

fibras

Ingestão de fibras é uma das principais maneiras de assegurar um intestino saudável aos pets

capivara

Resgate de animais nas margens do Rio Pinheiros conta com apoio do Instituto PremieRpet