in

Clínica de silvestres e exóticos precisa de olhar direcionado às particularidades dos animais

Profissionais comentam se as graduações são capazes ou não de formar veterinários aptos a esse atendimento

Um bom atendimento veterinário deve contar com consultas individualizadas, afinal cada ser é único. Quando o dia a dia é composto por atendimentos multiespécie, então, todos os procedimentos precisam ser individualizados. E, para exercer a função de cuidar de um paciente selvagem ou exótico, é necessário estudo e atualização.

O médico-veterinário, especializado em Animais Silvestres e Exóticos, Márcio Luiz Mendes, comenta que o profissional sai da faculdade, teoricamente, apto a trabalhar em qualquer área de atuação inerente à profissão, embora, para muitas dessas áreas, a especialização seja desejada. Mas ninguém sai completamente pronto para atuar, principalmente quando se trata de sua área, que não é tão abordada em sala de aula.

“Durante a minha graduação, não havia disciplinas específicas para animais Silvestres e Exóticos, por isso, foi criado, pelos próprios alunos, um grupo de estudos independente, o Grupo de Estudo de Clínica de Animais Silvestres (GECAS); nos reuníamos uma vez por semana e, em cada encontro, um de nós era responsável por ministrar a aula aos demais sobre um tema de uma determinada espécie, à escolha de quem iria dar a aula”, diz.

Mendes destaca que a faculdade nunca vai entregar tudo o que se precisa, seja conteúdo de grandes animais, convencionais ou silvestres e exóticos. “Creio que a realidade das universidades tem muito a ver com o ensinar a atingir uma “meta de aproveitamento mínimo para aprovação”, para que ao final de cinco anos se receba um papel para pendurar na parede e um número de conselho de classe para que possa atuar… Faculdade não ensina talento, vocação, dificilmente motiva alguém a ir além do mínimo para ser aprovado. Esses atributos são pessoais e intransferíveis, podem ser adquiridos com estudo, dedicação e treino, que estão mais ligados a questões de foro íntimo. Por isso, apesar dos cursos serem mais direcionados a cães e gatos ou a grandes animais, realmente não creio que a faculdade seja capaz de entregar aos alunos tudo o que necessitam para a formação de um bom profissional”.

Quer ler a reportagem completa? Acesse, gratuitamente, nossa revista on-line. Clique aqui.

Fonte: Redação Cães&Gatos VET FOOD. 

(Foto: C&G VF)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Especialistas do CEPEN pet criam blog para orientar a sociedade sobre nutrição de cães e gatos

Vetnil lança campanha “Fevereiro Pet Derme” para destacar a dermatologia veterinária