in

Coronel do Exército é o vencedor da primeira Comenda Muniz de Aragão

Francisco Augusto Pereira dos Santos é o primeiro veterinário militar a receber a condecoração

O coronel Francisco Augusto Pereira dos Santos, indicado pelo Exército Brasileiro, é o primeiro médico-veterinário militar a receber a Comenda Muniz de Aragão. Entre os 29 indicados à premiação, ele foi escolhido pelos 32 anos de relevantes serviços prestados à Medicina Veterinária Militar Brasileira.

“Além da imensa satisfação e orgulho profissionais, é uma grande honra ser agraciado com a primeira Comenda Muniz de Aragão, patrono da Medicina Veterinária do Exército. Essa homenagem reveste-se de importância maior graças à qualidade dos concorrentes. Qualquer um que fosse escolhido teria sido justo. Considero este o coroamento de 33 anos de formação profissional e 32 anos de serviço dedicados à Pátria”, reconhece.

O coronel Francisco Augusto começou sua carreira no Exército em 1989, quando chefiou a Seção de Cães-de-Guerra do 1º Batalhão de Polícia do Exército, no Rio de Janeiro. De lá para cá, passou pela chefia do Laboratório de Inspeção de Alimentos e Bromatologia do 1º Depósito de Suprimento (RJ), onde era o responsável pela segurança e qualidade alimentar dos gêneros consumidos pelos militares do Rio de Janeiro e Espírito Santo; foi instrutor-chefe do curso de formação e especialização em Inspeção de Alimentos para os oficiais veterinários de carreira do Exército, na Escola de Saúde do Exército; serviu no Instituto de Biologia do Exército; e foi responsável pela produção de plasma hiperimune equino para a produção nacional de soro antipeçonhento (ofídico/escorpiônico). Serviu ainda no Hospital de Guarnição de Marabá (PA) e teve o cargo de diretor do Hospital Veterinário da Escola de Equitação do Exército (RJ), unidade responsável, inclusive, pelo atendimento veterinário aos equinos selecionados para os Jogos Olímpicos de 2016.

Participou de duas missões da Organização das Nações Unidas para Estabilização do Haiti (MINUSTAH), em 2011 e 2014, nas quais era responsável pela manutenção da higidez da tropa, coordenando a execução de medidas de profilaxia da malária, cólera, dengue, chikungunya e filariose. Também se encarregou da segurança dos alimentos de 900 militares, realizando inspeção da água e dos gêneros alimentícios consumidos, além de medidas de biossegurança, defesa biológica, controle de zoonoses e gestão ambiental. Recebeu a medalha da ONU por bons serviços prestados nos contingentes brasileiros de missão de paz, no Haiti.

Atuou como o primeiro Oficial Veterinário da Operação Acolhida, ação de ajuda humanitária do Governo Federal aos imigrantes venezuelanos, nas cidades de Pacaraima e Boa Vista, ambas em Roraima. Lá, contribuiu com ações de controle de zoonoses, pragas e vetores, biossegurança, segurança dos alimentos e vigilâncias epidemiológica, sanitária e ambiental.

Chefiou a Missão Roraima II, 16ª ação interministerial dos Ministérios da Defesa e da Saúde, no contexto da Operação COVID, no combate ao novo coronavírus e em prol da saúde dos povos indígenas Yanomami, nas aldeias Parima, Parafuri, Kaianaú, Alto Mucajaí e Baixo Mucajaí, além das comunidades que vivem no entorno dos Pelotões Especiais de Fronteira (PEF) de Auaris e de Surucucu, em Roraima.

Atualmente, é assessor de saúde do Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil (CCOPAB), no Rio de Janeiro, no qual capacita militares, civis e policiais militares designados para missões de paz da ONU. Durante a pandemia do novo coronavírus (SARS-CoV-2), tem realizado treinamentos sobre a Covid-19 em organizações militares de saúde e instituições civis.

O coronel é titular da Academia de Medicina Veterinária do Rio de Janeiro e membro da Comissão Estadual de Saúde Pública Veterinária, do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Rio de Janeiro (CRMV-RJ).

“Somado ao primeiro Prêmio Honra ao Mérito Médico-Veterinário Militar, recebido em 2018 do presidente do CRMV-RJ, Rômulo Spinelli, a Comenda Muniz de Aragão servirá como um estímulo maior na luta incessante pela divulgação e reconhecimento de nossa bela e nobre profissão, não apenas no meio civil, como também no meio militar”, destaca Francisco Augusto.

Por cada década de bons serviços prestados ao Exército Brasileiro, o coronal já recebeu as medalhas militares de bronze (10 anos), prata (20 anos) e ouro (30 anos). Foi laureado, ainda, com as medalhas Osório, o Legendário (excelente desempenho funcional, irrepreensível conduta civil e militar e excepcional desempenho físico ao longo da carreira); do Serviço Amazônico (bons serviços prestados em organização militar da região amazônica); e do Pacificador (bons serviços prestados ao Exército e ter se tornado credor de homenagem especial da Força).

“Espero que a comenda estimule também os profissionais das novas gerações, sucessores do legado deixado pelos nossos competentes e dedicados antecessores, que merecem ser lembrados e reverenciados. Por isso, agradeço ao coronel veterinário William Ribeiro Pinho, meu mestre e mentor, a quem devo as minhas conquistas profissionais”, conclui.

Fonte: CFMV, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

(Foto: divulgação)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Projeto treina cães para que identifiquem mais de 40 tipos de câncer de mama em estágio inicial

Boehringer Ingelheim anuncia nova diretora de negócios para a divisão de pets