in

CRESCE O NÚMERO DE DENÚNCIAS SOBRE MAUS-TRATOS DURANTE A QUARENTENA

Segundo o CRMV-SP, autores de crueldades contra animais são potenciais agressores/abusadores de pessoas

Com a pandemia do coronavírus, se manter dentro de casa não é apenas uma indicação para controlar a propagação da doença, mas sim uma necessidade. Contudo, neste período tem se relatado um aumento do número de casos de maus-tratos aos animais de companhia.

De acordo com texto publicado pelo Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo (CRMV-SP), com o isolamento há maior convivência entre os familiares nas residências e destes com os animais. O que até então, contabilizou um aumento de 10% no número de ocorrências de crimes contra cães, gatos e outras espécies. Segundo a Delegacia Eletrônica de Proteção Animal (Depa) da SSP-SP, o número de denúncias passou de 4.108 no início de 2019 para 4.524 no mesmo período deste ano.

Para o Conselho, um dos fatores que podem ter contribuído para este acréscimo é o maior tempo de permanência das pessoas em ambiente doméstico e este contexto requer atenção redobrada, seja entre os médicos-veterinários, que podem vir a receber casos em suas clínicas, consultórios e hospitais, seja pela população em suas vizinhanças. Flagrantes e casos suspeitos devem ser notificados à polícia para a proteção dos animais e de famílias envolvidas.

Contudo, também é alertado pelo Conselho, com base da Teoria do Elo, que autores de crueldades contra animais são potenciais agressores/abusadores de pessoas, em especial de populações consideradas vulneráveis. Que corrobora com a análise da médica-veterinária Tália Missen Tremori, que integra a Comissão Técnica de Medicina Veterinária Legal (CTMVL) CRMV-SP, que após ter selecionado boletins de ocorrência registrados na Delegacia da Mulher do município de Botucatu e realizado entrevistas e exames no animais destas mulheres, relatou que “um terço das vítimas confirmou que seus pets sofreram algum tipo de agressão”.

Com isso, no sentido de auxiliar na elucidação de crimes contra animais, identificar seus autores e, assim, também chegar a possíveis vítimas humanas do criminoso, o recém-inaugurado Ambulatório de Corpo de Delito e Medicina Veterinária Legal do Hospital Veterinário da Universidade Estadual Paulista (Unesp), em Botucatu, atende casos de animais vivos encaminhados pela polícia civil da região.

Em caso de atendimento veterinário, é crucial, principalmente em um momento de isolamento social, que os profissionais e a população estejam atentos a sinais – alguns bem claros, outros bastante discretos – que evidenciem contextos de violência doméstica.

“O comportamento das pessoas e a forma como relatam o ocorrido deixam pistas. Além disso, em caso da presença do agressor, a reação dos animais também pode apresentar indícios”, comenta a médica-veterinária Cristiane Pizzuto, presidente da Comissão Técnica de Bem-Estar Animal (CTBEA) do CRMV-SP. Aos médicos-veterinários em atendimento de casos, ela orienta a elaboração de um relatório técnico e a notificação à polícia, podendo contar com o apoio das informações disponíveis no Guia Prático Para Avaliação Inicial de Maus-tratos a cães e gatos do CRMV-SP.

Ao constatar tais crimes, denuncie.

Fonte: CRMV-SP, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

FARO: LIVE ABORDA OS PRINCIPAIS TÓPICOS DA MODALIDADE MANTRAILING

WVA ABRE CANDIDATURAS PARA PARTICIPAÇÃO EM GRUPOS ESTRATÉGICOS