in

CRMV-SP alerta sobre os riscos dos fogos de artifício aos pets e incentiva a denúncia da prática

Muitos animais podem ficar irritados, estressados e desnorteados, podendo provocar acidentes

A última noite do ano é a mais esperada por muitos, a virada para um novo recomeço, as festas e comemorações são sempre alegres, mas é importante frisar que a queima de fogos de artifício e a soltura de artefato pirotécnico de estampido são proibidos no Estado de São Paulo, conforme a Lei 17.389, sancionada em julho deste ano.

O intuito é ajudar pessoas e animais que ficam agitados, assustados e desnorteados com os barulhos. O Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo (CRMV-SP) ressalta que os estrondos e os clarões deixam cães, gatos, aves e espécies de vida livre muito assustados e estressados, o que pode levar à ocorrência de acidentes e, em alguns casos,  levar à morte.

O CRMV-SP explica que, com a audição apurada, os animais captam o barulho emitido pelos artefatos em uma intensidade muito maior, com isso, alguns podem ficar agressivos, enquanto outros tentam se esconder ou fugir, podendo se machucar, bater a cabeça, sofrer quedas de varandas e fraturas. Muitas vezes desnorteados, também há o risco de irem para rodovias e estradas, ocasionando graves acidentes.

De modo geral, o ideal é manter sempre o pet em ambiente fechado, calmo e sem rotas de fuga, assim como evitar deixá-lo sozinho durante o período. Vale ressaltar que a queima de fogos é proibida em São Paulo, caso presencie a soltura dos artefatos, denuncie para a Polícia Militar (telefone 190) ou para a Guarda Municipal da Cidade. Serão multados empresas e infratores, sendo R$4,3 mil para o descumpridor e,  R$11,6 mil para entidade. Caso haja reincidência os valores serão dobrados.

Com a audição apurada, os animais captam o barulho emitido pelos artefatos em uma intensidade muito maior (Foto: reprodução)

Proteção e prevenção

Para proteger os pets, o CRMV-SP indica que os tutores façam um check-up com um médico-veterinário antes da noite de réveillon. O profissional poderá indicar exames e dar orientações individualizadas de acordo com o quadro de saúde do animal e a rotina da família. 

Além disso, algumas dicas podem auxiliar os tutores no dia da virada, então, durante o dia antes dos fogos, recomenda-se sair com o pet para passear e estimular brincadeiras para gastar energia. Alguns vídeos de fogos de artifício podem ser usados antes das festas para preparo prévio do pet. 

É importante lembrar de deixar tudo que o animal gosta perto dele, como cama, cobertores e brinquedos. A caixa de transporte pode servir de refúgio nos momentos de medo. Outra dica a se levar em consideração é não usar guia, eles podem ficar nervosos e se enrolar, elevando o risco de enforcamento acidental, mas, as coleiras podem ser mantidas, inclusive com identificação do nome do animal e telefone para contato.

Caso o animal esteja habituado a ouvir sons, deixar tv e rádio ligados em volume alto pode ajudar a disfarçar os sons dos fogos e fazer com que o animal se sinta mais familiarizado e acolhido. 

Para mais dicas e recomendações do CRMV-SP, clique aqui.

Fonte: CRMV-SP, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Projeto de Lei que regulamenta a prática da caça esportiva no Brasil afronta direitos dos animais

Retrospectiva: Entre os temas mais lidos de 2021, saúde mental e bem-estar animal se destacam

Cães sem coleira: tutor deve controlar o acesso à rua sem a guia para não ferir a lei

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leishmaniose Visceral Canina

1º Boletim Epidemiológico do Ivisa-Rio é divulgado, após muitas notificações de casos de LVC

gestão

Gestão 2022-2025 do CRMV-BA toma posse e agradece o Conselho Federal de Medicina Veterinária