in

DOAR SANGUE DO PET PODE SALVAR A VIDA DE OUTROS ANIMAIS

Para serem doadores, cães e gatos precisam cumprir alguns pré-requisitos

Assim como a doação de sangue entre humanos, entre os animais de companhia é importante e pode salvar a vida de outros pets. Isso porque ter bolsas de sangue animal à disposição é essencial nos estabelecimentos que realizam procedimentos de emergência, como casos de hemorragia, atropelamentos e cirurgias em decorrência de diferentes tipos de quadros.

“Embora tenha alta rotatividade em hospitais, o número de bancos de sangue para animais no Brasil é pequeno”, afirma o membro das comissões de Entidades Veterinárias Regionais (CEVRSP) e Técnica Clínicos de Pequenos Animais (CTCPA), do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo (CRMV-SP), Paulo Corte.

De acordo com Corte, no hospital no qual ele atua como diretor, no interior de São Paulo, são utilizadas, em média, oito bolsas de sangue por semana, ou seja, mais do que uma por dia. Portanto, a existência e o abastecimento contínuo de bancos de sangue animal são imprescindíveis. “Com a transfusão, é possível suprir as necessidades básicas de vida do animal, mantendo-o vivo até que se possa fazer outros procedimentos”, ressalta médico-veterinário que também integra a CTCPA/CRMV-SP, Otávio Verlengia.

Requisitos para doação. Para que o animal esteja apto a ser um doador, ele precisa preencher alguns pré-requisitos. No caso dos cães, segundo os profissionais, é preciso ter, no máximo, oito anos; pesar mais de 25 quilos; estar com as vacinas anuais em dia; estar com o controle de pulgas, carrapatos e vermes em dia; não ter recebido transfusão sanguínea; não ter realizado cirurgia nos últimos 30 dias; se fêmea, não estar no cio nem grávida.

Já no caso dos gatos, o doador deve ter entre um e sete anos; pesar, no mínimo, 4kg; não apresentar doenças; estar com as vacinas anuais em dia; estar com o controle de pulgas, carrapatos e vermes em dia; não ter recebido transfusão sanguínea. “Preenchendo esses pré-requisitos, os animais passam por avaliação clínica. Se estiver tudo bem, são encaminhados para o exame de triagem e, com resultados satisfatórios, os animais são considerados doadores aptos”, diz Corte.

O médico-veterinário explica que, quando a coleta é realizada, uma amostra é separada para diversos testes de doenças infecciosas. A coleta é rápida, dura cerca de 15 minutos, e o tutor pode acompanhar todo o processo. “Após a coleta, o animal deve ficar 24 horas de repouso”, recomenda Corte.

Fonte: CRMV-SP, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

USO INDISCRIMINADO DE FÁRMACOS HORMONAIS CAUSA DOENÇAS EM PETS

CONSELHO FEDERAL DE VETERINÁRIA CRIA CÂMARA TÉCNICA DE ZOOTECNIA