in

EM PERÍODO DE MAIOR ABANDONO, É PRECISO INSERIR O PET NOS PLANOS DE FÉRIAS

Dicas importantes orientam em caso de viagem ou permanência do animal

Dicas importantes orientam em caso de viagem ou permanência do animal

Uma pesquisa inédita realizada no Brasil pelo Ibope e o Centro de Nutrição e Bem-Estar Animal Waltham revelou que o fato de não ter com quem deixar o pet ao viajar é uma das principais justificativas apontadas para uma pessoa não ter um animal de estimação. Mesmo assim, o número de animais abandonados no Brasil é alto, cerca de 30 milhões segundo a Organização Mundial da Saúde, e tende a aumentar no período de férias. Prova disso, é o índice de abandono que cresce em torno de 30% entre dezembro e fevereiro, segundo dados das ONGs que fazem parte do Programa Pedigree Adotar é Tudo de Bom. As ONGs, que chegam a ficar no limite da capacidade, recebem cerca de 30 pedidos a mais de resgate por mês, enquanto normalmente, em média, costumam receber 15 chamados.

Por isso, é fundamental analisar os prós e os contras de levar o animal junto no período de férias. É necessário pensar bem no destino, no meio de transporte, nas atividades e na duração da viagem. Para ajudar, profissionais da Royal Canin listaram algumas dicas para quem pretende viajar com seu pet:

  • Levar gatos e cães à praia exige cuidados especiais com alguns tipos de parasitas. Informe-se previamente com o médico-veterinário de sua confiança e lembre-se que em muitas praias a permanência de animais de estimação é proibida.
  • Fique atento ao piso quente que pode queimar as patas e causar sofrimento aos animais.
  • Mantenha sempre água limpa e fresca à disposição.
  • Se a viagem for de carro, passeie com o animal antes de ele entrar no veículo para que ele faça suas necessidades. Não é indicado que o animal seja alimentado antes das viagens e durante o trajeto, já que eles podem ficar enjoados. Nunca deixe o pet solto dentro do carro. O recomendado é utilizar caixa de transporte adequada ou, para cães, cinto de segurança próprio. Não permita que o animal coloque a cabeça para fora da janela, pois isso pode causar otite ou machucados em caso de impacto com insetos ou pedras.
  •  Importante que se altere o mínimo possível a rotina do animal (horários de alimentação, passeios e brincadeiras, por exemplo).
  • Vale lembrar que o pet deve estar devidamente identificado com plaquinha na coleira ou microchip, além de estar em dia com vermifugação, vacinações, anti-pulgas/carrapatos.
ferias pet - divulgacao

É importante que os tutores tenham consciência que é necessário se programar com o animal de estimação (Foto: reprodução)

Se a opção for por deixar o animal de estimação em casa, também é necessário uma série de cuidados essenciais como:

  • Não deixar o animal sozinho durante o período em que estiver ausente. O simples fato de ele estar sozinho em casa já gera um grande stress para o animal, que sentirá falta da rotina da família, da presença física das pessoas, das brincadeiras e carinho.
  • O recomendado é buscar um serviço profissional especializado, dentre eles hotéis ou, então, pet-sitters que visitem a residência diariamente.

Fonte: A.I., adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

SETOR DE PET FOOD DEVE ALCANÇAR 2,6 MILHÕES DE TONELADAS EM 2017

UNIVERSIDADES DEVEM SE ATENTAR AOS PROCESSOS MEC PARA CREDENCIAR CURSOS