in

Estado do Paraná institui Comitê Gestor da Fauna Silvestre Vitimada (CGFAU)

Iniciativa tem como objetivo estabelecer estratégias e políticas contra o tráfico e comércio ilegal

Para reforçar ações de combate contra crimes aos animais silvestres no Estado do Paraná, Secretaria estadual do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo (Sedest), Instituto Água e Terra (IAT) e Secretaria estadual da Segurança Pública instituíram o Comitê Gestor da Fauna Silvestre Vitimada (CGFAU). Iniciativa tem como objetivo estabelecer estratégias e políticas de gestão a fim de ampliar a fiscalização contra o tráfico e comércio ilegal e implantar mecanismos de proteção.

Segundo o diretor de Políticas Ambientais da Sedest, Rafael Andreguetto, espera-se “identificar crimes contra a fauna e dar o melhor destino aos animais silvestres. A preferência é que eles sejam mantidos livres, na natureza”.  Na região, a fiscalização e o resgate da fauna vitimada são atribuições do Instituto Água e Terra e do Batalhão de Polícia Ambiental – Força Verde (BPAmb-FV).

“A criação do Comitê representa uma inovação que integra diferentes órgãos ambientais responsáveis pela fiscalização e gestão de fauna, para tratativas que necessitam da soma de esforços e de ações conjuntas para uma maior efetividade no combate ao comércio e ao tráfico de animais silvestres no Estado”, complementa a bióloga do IAT, Paula Vidolin.

CGFAU está em consonância com o Código Estadual de Proteção aos Animais, estabelecido pela Lei Estadual nº 14.037/2003 e o Decreto nº 3148/2004, que instituiu a Política Estadual de Proteção à Fauna Nativa (Foto: reprodução)

Cenário atual

Perante a região paranaense, de acordo com o capitão Álvaro Gruntowski, chefe do Planejamento de BPAmb-FV, somente pela Polícia Militar Ambiental, são apreendidos, em média, 5 mil animais silvestres (exóticos e nativos) por ano, vítimas de crimes ambientais como maus-tratos, cativeiro ilegal, caça e tráfico, entre outros. Aproximadamente 90% são aves.

“O Estado é considerado um dos entrepostos brasileiros do tráfico internacional de animais silvestres pela localização estratégica e apresenta uma série de grandes depósitos ilegais de espécies, muitas vezes capturadas em outras regiões do País”, destaca o profissional, ao reforçar a necessidade do Comitê.

Fonte: Bem Paraná, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Fim da reprodução de braquicefálicos: será, de fato, possível esse marco na Veterinária?

Felinos: Associação americana atualiza diretrizes para cuidados com gatos geriátricos

Médicos-veterinários têm papel fundamental na prevenção de novas pandemias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Setor pet apresentou crescimento de 15% na venda de produtos em 2020

cão preso

Acorrentamento de animais é proibido pela prefeitura do Rio de Janeiro