in

ESTUDO REVELA QUE CÃES SÃO CAPAZES DE COMPREENDER PALAVRAS

Pesquisa foi realizada pela universidade britânica de Essex

Pesquisa foi realizada pela universidade britânica de Essex

Muito se é discutido sobre o poder de compreensão dos cães, principalmente se estes animais podem reconhecer palavras ditas com frequência. Com isso, um estudo realizado pela Universidade de Sussex e divulgado pela Royal Society, afirma que os cachorros podem sim reconhecer palavras, mesmo que pronunciadas por desconhecidos.

O estudo explica que já se tinha a noção de que cães domésticos compreendem ordem simples e que são capazes de reconhecer vozes humanas quando pronunciam frases de conhecimento, no entanto, a pesquisa salienta que os animais também podem perceber o diálogo humano e a fonética.

Ao longo da pesquisa, a universidade britânica de Sussex contou com 70 cães domésticos de raças diferentes em uma experiência. Nela, os animais escutaram sílabas, sem sentido para eles, pronunciadas por desconhecidos, no caso, 13 homens e 14 mulheres.

A equipe, que ficou responsável por observar a reação dos cães aos diferentes estímulos sonoros, descobriu que os pets reconhecem termos como “hid”, “had” e “who’d”, pronunciados por pessoas diferentes.  Segundo o professor de etologia da universidade francesa de Lyon Saint-Etienne e um dos autores do estudo, David Reby, isso revela a capacidade dos animais em generalizar os fonemas, independes de que os disseram.

“Até o momento se pensava que esta capacidade de categorizar as palavras, sem treinamento prévio, era exclusiva dos humanos. Mas achamos que não é o caso”, acrescenta outra autora do estudo, Holly Root-Gutteridge, da Universidade de Sussex.

David Reby ainda ressalta que os cães são capazes de formar muito rapidamente uma representação da voz, outro pré-requisito para compreender a palavra. Também segundo ele, outros animais, como as chinchilas ou os ratos, já haviam apresentado capacidades semelhantes, mas com um treinamento prévio.

“Este tipo de reconhecimento de fonemas é um pré-requisito do idioma, já que para se falar é preciso ser capaz de identificar uma mesma palavra através de diferentes locutores. É a primeira vez que conseguimos estes resultados de maneira espontânea”, afirma Root-Gutteridge.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

PET COMO PRESENTE DE NATAL: É PRECISO REPENSAR ESSA ESCOLHA

CFMV REPUDIA PORTARIA DO MEC QUE AUMENTA CARGA HORÁRIA DE EAD