Cães e gatos logo

Buscar na cães e gatos

Pesquisar
Close this search box.
- PUBLICIDADE -
Pets e Curiosidades

Estudo revela que felinos brilham no escuro

Áreas incluem pelos brancos e claros, bigodes, garras, dentes e pele nua
Por Equipe Cães&Gatos
Por Equipe Cães&Gatos

Sabia que o seu gato brilha no escuro? É o que mostra um estudo australiano. A pesquisa descobriu que alguns mamíferos, incluindo gatos, brilham de forma fluorescente quando estão no escuro sob luz UV. 

Além dos gatos, a fluorescência foi encontrada em 125 espécies, incluindo morcegos, coalas, zebras, toupeiras, ursos polares e golfinhos. A fluorescência é a capacidade de certos produtos químicos de emitir luz visível após absorver radiação que normalmente não é visível, como a luz ultravioleta (UV). A luz UV é uma forma de radiação eletromagnética, mas é invisível ao olho humano. 

Especialistas já sabiam que os ossos e os dentes brilham, assim como os cabelos e as unhas brancas dos humanos, mas até agora ninguém sabia o quão comum isso era entre os mamíferos.

O novo estudo, liderado por Kenny J. Travouillon, paleontólogo do Museu da Austrália Ocidental, em Perth, confirma a fluorescência generalizada para mamíferos: “Quase todos os mamíferos que estudamos mostraram alguma forma de fluorescência”.

Fenômeno auxilia animais a enxergarem uns aos outros no escuro (Foto: divulgação)

O fenômeno pode ajudar os animais a se notarem uns aos outros com pouca iluminação, preferencialmente à noite. Estudos anteriores já mostraram que a fluorescência é observada entre pássaros, répteis, corais, moluscos, escorpiões e outros artrópodes, anfíbios como sapos e até peixes.

A fluorescência pode ter evoluído nos animais como uma função biológica útil, como para comunicações de espécies noturnas, embora isso não seja certo. “Pode ser apenas um artefato das propriedades estruturais do cabelo não pigmentado”, explicou Travouillon. 

“No entanto, sugerimos que a fluorescência pode ser importante para iluminar partes de cores claras de animais que são usadas como sinais visuais. Isto poderia melhorar a sua visibilidade, especialmente em condições de pouca luz – tal como acontece com os branqueadores ópticos fluorescentes adicionados ao papel branco e às roupas”, acrescentou. 

Travouillon e colegas estudaram espécimes preservados e congelados de museus e parques de vida selvagem, incluindo o Museu da Austrália Ocidental e o Museu e Galeria de Arte da Tasmânia. 

Os pesquisadores começaram com o ornitorrinco para ver se eles conseguiam replicar a fluorescência relatada anteriormente em outro estudo em 2020. Na época, o pelo de três espécimes de ornitorrinco era uniformemente marrom sob luz visível, mas sob luz ultravioleta eles pareciam verdes ou ciano. 

“Fotografamos espécimes de ornitorrincos preservados e congelados sob luz ultravioleta e observamos um brilho fluorescente (embora bastante fraco)”,, disse Travouillon. 

Eles então usaram uma técnica chamada espectroscopia de fluorescência – que direciona várias fontes de luz para as amostras e registra as “impressões digitais” específicas do brilho – para confirmar que o que eles viram era de fato fluorescência.

Após repetir esse processo para outros mamíferos, eles encontraram evidências claras de fluorescência em coalas, diabos da Tasmânia, equidnas de bico curto e até gatos. As áreas de fluorescência incluíam pelos brancos e claros, penas, bigodes, garras, dentes e alguma pele nua. Para o gato doméstico, a pelagem escura não era fluorescente, mas a pelagem branca era, com intensidade semelhante à do ornitorrinco. 

A equipe admite que estudou animais preservados que estavam mortos há muito tempo, mas aqueles que estão vivos ou recentemente mortos podem ser ainda mais fluorescentes. “Sugerimos que mais estudos se concentrem em animais não preservados”, concluem no seu artigo, publicado na revista Royal Society Open Science.

“Estes não seriam afetados pela degradação potencial de materiais fluorescentes ou por produtos químicos de preservação. As espécies de interesse incluem aquelas com peles altamente padronizadas, que podem ser importantes para sinalização visual ou camuflagem”, diz o estudo.

Fonte: Byte, adaptado pela equipe Cães e Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Pets pequenos são mais agressivos? Veterinários explicam

CRMV-SP cria grupo de apoio para médicos-veterinários

Os cinco principais cuidados que um pet idoso demanda

Compartilhe este artigo agora no