Buscar na cães e gatos

Pesquisar
Close this search box.
- PUBLICIDADE -
Clínica e Nutrição

Estudos mostram que obesidade é a doença metabólica mais comum em cães e gatos

Por Equipe Cães&Gatos
gato obeso
Por Equipe Cães&Gatos

Assim como acontece com os humanos, a obesidade vem se tornando uma doença cada vez mais comum entre cães e gatos. Um estudo realizado pela Universidade de São Paulo (USP) apontou uma prevalência de sobrepeso e obesidade em mais de 40% dos 258 animais avaliados somente na capital paulista. Os quilos a mais podem comprometer gravemente a saúde dos pets e têm potencial, inclusive, de reduzir sua expectativa de vida: um trabalho científico da Universidade de Illinois, em conjunto com as Universidades de Michigan, Cornell, Filadelfia e Pensilvânia, mostrou que cães que apresentam maior incidência de sobrepeso por não terem um controle nutricional durante a vida viveram 1,5 anos a menos, quando comparados a cães que receberam esse cuidado. Por isso, na semana em que foi celebrado o Dia Nacional da Prevenção da Obesidade (11 de outubro), é importante destacar a gravidade deste distúrbio também para os animais e, principalmente, como evita-lo. 

gato obeso
A obesidade tem como principal causa o desequilíbrio provocado pelo consumo elevado de energia fornecida pelo excesso de alimento (Foto: Reprodução)

A obesidade tem como principal causa o desequilíbrio provocado pelo consumo elevado de energia fornecida pelo excesso de alimento. Isso significa que há abundância de alimentos e baixa atividade, e quando a ingestão calórica é maior do que o gasto energético, existe o acúmulo de gordura. E uma vez que os animais domesticados não escolhem o que comer, o responsável por esse desequilíbrio, mesmo involuntariamente, é o tutor. 

“A crescente humanização dos animais de companhia pode trazer consequências para a saúde do pet, especialmente relacionadas à alimentação e ao comportamento. Existe uma questão cultural muito forte envolvida, pois os tutores costumam expressar afeto pelo animal por meio dos alimentos, o que influencia para o ganho de peso”, explica a médica-veterinária da Adimax e doutora em nutrição de cães e gatos, Mariana Fragoso. 

Mariana explica que, além dos alimentos da dieta humana, as opções próprias para os animais também podem ser responsáveis pelo aumento de peso, quando oferecidas em quantidades além da recomendada: “Os petiscos destinados aos pets também podem contribuir para o sobrepeso, quando ofertados em excesso, e devem estar incluídos na recomendação diária. Por isso, é importante respeitar a orientação de consumo das embalagens e do médico-veterinário de confiança”.  

Ao optar por um alimento para seu animal, o tutor deve levar em consideração suas necessidades específicas. “Um animal filhote tem demanda energética diferente de um adulto, assim como de um animal idoso ou castrado. Por isso, existem alimentos desenvolvidos especialmente para cada fase da vida. O diferencial entre eles é exatamente a composição, pois o equilíbrio nutricional é feito conforme a necessidade de cada momento, de modo que, tão importante quanto a escolha do alimento é o manejo nutricional do animal”, completa Mariana. 

Para assegurar a saúde e o bem-estar dos pets em cada fase da vida, a avaliação nutricional deve fazer parte da rotina clínica, pois permite prevenir doenças graves como a obesidade. O médico-veterinário tem papel fundamental para assegurar uma nutrição de qualidade, orientando o tutor sobre o alimento ideal e como oferecê-lo ao seu pet, garantindo que ele receba todos os nutrientes que necessita nas quantidades ideais.  

Vale destacar que a atividade física é tão importante quanto a nutrição na rotina dos animais. Os passeios diários e as brincadeiras promoverão um maior gasto energético e contribuirão para um animal mais saudável e feliz. 

Para finalizar, Mariana relaciona as condutas do tutor para prevenir a obesidade em seu pet: 

– Inclua a avaliação nutricional na rotina clínica do pet; 

– Siga as recomendações do médico-veterinário quanto ao alimento a ser fornecido, conforme a fase da vida em que ele se encontra, bem como a quantidade diária a ser ofertada; 

– Os petiscos devem ser incluídos nesta recomendação diária; 

– Resista ao olhar pidão e não ofereça a ele alimentos da sua dieta (do tutor). Isso evitará o ganho de peso e também o comportamento indesejado de pedir comida à mesa; 

– Inclua os passeios e as brincadeiras na rotina do animal. 

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Sofrimento dos pets pode causar distúrbios psicológicos em tutores e veterinários

Médica-veterinária destaca a importância da conscientização sobre o câncer de mama em gatos

Fadiga por compaixão é um dos males atuais dos profissionais da Medicina Veterinária

NewsLetter

Cadastre-se agora e receba nossos boletins e atualizações em seu email. 

Integração
Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!