Buscar na cães e gatos

Pesquisar
Close this search box.
- PUBLICIDADE -
Inovação e Mercado

Fluxo sanitário adequado reduz contaminações e infecções

Boas práticas de higiene no estabelecimento veterinário promovem segurança e bem-estar
Por Equipe Cães&Gatos
fluxo sanitário
Por Equipe Cães&Gatos

Conjunto de medidas para prevenir disseminação de doenças infecciosas e manter o ambiente seguro e limpo, o fluxo sanitário é a organização de fluxos de trabalho respeitando as condições sanitárias para a realização de uma tarefa, como a prática do ato cirúrgico. 

- PUBLICIDADE -

A sua aplicação de forma adequada promove segurança, saúde e bem-estar, reduzindo o risco de contaminações. Mas, ainda é motivo de dúvida por parte de alguns proprietários e profissionais.

O tema também é abordado no manual “Estruturação de Estabelecimentos Médico-veterinários”, do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo (CRMV-SP), elaborado para auxiliar os responsáveis técnicos e proprietários de estabelecimentos veterinários na estruturação de serviços clínicos em conformidade com a Resolução CFMV nº 1.275/2019.

Entre os benefícios da gestão correta do fluxo sanitário, estão a prevenção de doenças, o controle de infecções, o bem-estar dos animais, a melhoria da imagem profissional e a conformidade com regulamentações vigentes, entre outros aspectos. 

Na prática, é preciso observar especialmente o fluxo de pessoas (cirurgiões médicos-veterinários, anestesistas e demais profissionais), de equipamentos (como instrumentos cirúrgicos) e de pacientes (animais) dentro do hospital, da clínica ou do consultório veterinário.

“É essencial que o fluxo sanitário seja respeitado para uma prática veterinária responsável e ética”, lembra Rosemary Viola Bosch, tesoureira e presidente da Comissão de Responsabilidade Técnica do CRMV-SP.

“Nesse tipo de ambiente, podem estar presentes riscos físicos (como pelo de animal e sujidades do meio externo), riscos biológicos (como vírus, bactérias e fungos) ou até riscos químicos (como produtos químicos)”, afirma Anne Pierre Helzel, coordenadora técnica médica-veterinária do CRMV-SP. 

A fim de minimizá-los, deve-se fazer a limpeza (remoção de sujidades), desinfecção (eliminação de microorganismos, exceto esporulados) e esterilização (destruição de todos os microorganismos).

Fluxo de pessoas e pacientes  

Considerando uma cirurgia, na sala ou em ambiente de preparo, efetuam-se procedimentos pré-cirurgia no animal: o paciente deve ser submetido a indução anestésica, tricotomizado (procedimento de remoção de pelo da área a ser operada com o objetivo de reduzir as chances de infecção pós-operatória) e aprontado. Esses procedimentos não devem ser realizados na sala de cirurgia.

Na sequência, o animal deve ser encaminhado por um colaborador para a sala de cirurgia por uma porta própria, diferente daquela destinada à entrada da equipe cirúrgica, e posicionado na mesa, onde será realizada a anestesia e antissepsia do campo cirúrgico. Posteriormente, o paciente será coberto com pano de campo estéril e de uso único.

A sala de antissepsia e paramentação deve servir de antecâmara de acesso exclusivo da equipe à sala cirúrgica, como referido no Decreto Estadual nº 40.400/1995. Nesse espaço, a equipe cirúrgica e os profissionais com acesso a sala de cirurgia se preparam (vestem o uniforme cirúrgico – scrub), colocam touca e máscara, vestem propé, fazem a desinquinação (em pia com dispositivo acionável sem precisar usar as mãos) e entram diretamente na sala de cirurgia (passando pela porta sem contato manual). A vestimenta de aventais de manga longa e luvas cirúrgicas, ambos os itens estéreis, deve ser realizada preferencialmente na sala cirúrgica.

Os materiais a serem utilizados no procedimento cirúrgico (como instrumentais cirúrgicos, compressas, gazes, panos de campo, fios de sutura, dentre outros, devendo todos estarem estéreis ) devem ser anteriormente preparados e dispostos em mesa auxiliar, forrada por pano de campo estéril, na sala cirúrgica.

Após a cirurgia, o descarte de material contaminado biologicamente, perfurocortante e peças anatômicas, deve ser realizado de acordo com a classificação e grau de risco do resíduo gerado, conforme o Plano de Gerenciamento de Resíduos do Serviço de Saúde (PGRSS), explica Anne. O animal é levado (normalmente por um colaborador) para a sala de recuperação de pacientes.

Fluxo de instrumentos

Depois de cada atendimento ou de uma cirurgia, os instrumentos usados devem ser levados para a sala de lavagem e esterilização (ou uma sala de sustentação), preferencialmente por um óculo ou dispositivo passa-bandejas de comunicação entre a sala de cirurgia e a sala de lavagem e esterilização. Isso porque o procedimento de limpeza, desinfecção ou esterilização de materiais deve ser centralizado em um local especial.

Nessa sala, o material é levado para a área suja (ou seja, área com potencial de contaminação) para ser lavada. Depois, os instrumentos ficam secando na área limpa. “É importante destacar que as áreas limpa e suja da sala de lavagem e esterilização devem ser separadas por uma barreira física, geralmente uma divisória feita de material impermeável e resistente a lavagem com desinfetante e antisséptico”, afirma a coordenadora técnica do CRMV-SP.

Da área suja, o material segue para a área limpa, onde é embalado em papel de grau cirúrgico com indicação de área esterilizada e data de validade do procedimento. Em seguida, ele é submetido à esterilização úmida sob pressão em autoclave e guardado em armário próprio.

“É fundamental respeitar os fluxos de área limpa e suja, crítica e não crítica dentro dos estabelecimentos de saúde animal a fim de evitar contaminação cruzada e assim diminuir o risco de infecções hospitalares, infecções cirúrgicas, e a transmissão de doenças infectocontagiosas”, afirma Alessandra Fonseca, assessora técnica médica-veterinária do CRMV-SP.

Confira todas as recomendações no vídeo explicativo sobre fluxo sanitário.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães e Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Doação de sangue pode salvar a vida dos animais

Como escolher o pet que mais combina com você

Ação pet faz doação para moradores de rua em São Paulo

Compartilhe este artigo agora no