in

Funcionários e voluntários tentam resgatar animais de zoológico, na Ucrânia

Durante a tentativa de salvar os bichos tiros e bombas foram usados para impedir ação

O conflito que segue se estendendo no leste europeu já deixou milhares de vítimas mortas e outras muitas feridas, mas a questão é que, diferentemente de algumas pessoas que decidiram permanecer no País e lutar pela nação, os animais são reféns de uma guerra da qual eles não podem participar. 

Um zoológico em Kharkiv chamado Feldman anunciou a possibilidade de sacrificar os mais de 6,8 mil animais que vivem aprisionados no espaço. E informou que cerca de 100 bichos que vivem em cativeiros foram mortos pelas forças russas. A violência aconteceu quando funcionários do local e voluntários tentavam retirar os animais e levá-los para um local seguro após uma grande campanha mobilizada pelas redes sociais.

O porta-voz do zoo informou que “o número de vítimas de animais inocentes está crescendo diariamente. A lista de quase 100 animais assassinados inclui nove veados vermelhos, dos quais outros 20 fugiram para uma floresta próxima depois que seus cercados foram atingidos, dois orangotangos e um chimpanzé, quatro gamos, dois bisões, três cabras galesas, felinos e primatas, ungulados, marsupiais e inúmeros pássaros”.

As bombas danificaram a estrutura do parque e não há informações se será possível retirar os bichos do local, pois não há estrutura logística para o resgate além de muitos estarem debilitados. 

Vale ressaltar que os animais não estão sendo alimentados e também estressados, passando por grandes problemas emocionais. Voluntários e funcionários que tentam acessar o zoológico são impedidos todas as vezes por ataques russos.

“Até o momento, cerca de 30% dos animais do Feldman Ecopark foram realocados, incluindo leões, guepardos, onças e panteras, tartarugas-africanas, alpacas, roedores capivaras, pássaros exóticos, grandes símios, cangurus, macacos e antas. Os próximos animais a serem salvos incluem texugos, raposas e gatos-selvagens-caracal”, informa o portal Anda Jor.

A administração do Feldman Ecopark afirma que pretende reconstruir o zoológico e manter os animais em cativeiro para a exposição e entretenimento humano. A atitude da empresa tem causado revolta pois estão perdendo a oportunidade de encaminhar os bichos para locais apropriados.

Embora tenha a fama de ser uma referência em preservação da fauna, agora, demonstra ser uma armadilha falaciosa. Aprisionar animais em cativeiro para entretenimento humano, os coloca em situação de completa vulnerabilidade. Em casos de guerra e grandes tragédias, esses animais são colocados diretamente em risco de morte iminente.

“O número de vítimas de animais inocentes está crescendo diariamente. A lista chega quase 100 animais assassinados” (foto: reprodução)

Mais vítimas

Em todo território ucraniano os animais estão sofrendo profundamente com as explosões de bombas e mísseis, provocando estresse e desconforto para todos há mais de 35 dias. Santuários da vida selvagem conseguiram retirar alguns bichos em segurança do país e transferi-los para refúgios na Bélgica, Espanha e Holanda. Mas o Nikolaev Zoo, Kyiv Zoological Park e o Kharkiv Zoo, estão sendo os mais afetados pelos ruídos dos confrontos. Além do barulho, há também escassez de suprimentos e falta de energia elétrica. Não há apoio logístico para retirar tantos animais do país. Realizar o transporte dos animais estressados e debilitados em meio a bombardeios pode ser extremamente arriscado e ter um fim ainda mais trágico. Especialistas afirmam que esses bichos podem ficar traumatizados para sempre.

A professora especialista em Comportamento Animal na Nottingham Trent University, Samantha Ward, explica que o conflito atual provavelmente terá um “impacto aterrorizante” nos animais dos zoológicos. “Mesmo em circunstâncias normais, mover animais de zoológico não é uma tarefa fácil, o transporte de animais pode ter impactos negativos no bem-estar dos bichos”. Além disso, a especialista fala que “animais transportados podem apresentar desidratação, fadiga, alterações comportamentais e estresse”.

Segundo uma pesquisadora pontuada por Samanthe, os animais formam relacionamentos com os tratadores e, portanto, isso pode ter implicações adicionais no bem-estar se os animais forem movidos sob condições estressantes para novos locais. O estudo realizado por ela evidencia como as espécies selvagens têm seus comportamentos alterados e desenvolvem a dependência de seres humanos por estarem em cativos.

Fonte: Anda Jor, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

A nutrição está presente e transforma a vida dos animais todos os dias

RJ constrói viaduto para reduzir o número de acidentes envolvendo animais silvestres

Além de gravidez indesejada, castração ajuda a prevenir diversas doenças nos pets

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

célula-tronco

Ourofino lança inovadora plataforma de terapia com células-tronco focada em cães

CFMV alerta proprietários e funcionários sobre ameaças de golpistas a clínicas veterinárias