in

Graduandas de Veterinária criam projeto de conscientização do combate à raiva

Iniciativa conta com o apoio do CRMV-MG e da Escola de Veterinária da UFMG

Na última semana, Minas Gerais confirmou o terceiro caso de raiva humana do ano. Os três infectados foram crianças e duas morreram em menos de um mês. Todas as infecções foram identificadas na zona rural de Bertópolis, no Vale do Mucuri. Na mesma região, outro caso suspeito segue em investigação. Essa é a primeira vez, desde 2012, que ocorrem mortes por raiva humana no Estado. 

Na tentativa de conscientizar a população sobre a gravidade da raiva, que, nos seres humanos, não tem cura e apresenta mortalidade de quase 100%, as estudantes da Escola de Veterinária, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Lorena Macedo e Isadora Martins, idealizaram o projeto “Juntos contra a raiva em MG”, desenvolvido em parceria com o Conselho Regional de Medicina Veterinária de Minas Gerais (CRMV-MG) e a Escola de Veterinária da UFMG.  

A vacinação nos animais de companhia é a forma mais eficaz de prevenir a raiva (Foto: reprodução)

As estudantes lembram que a raiva é uma doença causada por um vírus, cuja transmissão se dá pela mordida de animais infectados, mais especificamente pela saliva e arranhões. “É importante falar que o vírus não está nas unhas dos animais. Os pets lambem as unhas e, por isso, o arranhão pode transmitir a doença aos humanos”, explicam.

Elas lembram que a raiva matou todos os humanos até hoje infectados, exceto cinco casos no mundo inteiro, de pessoas que conseguiram sobreviver, mas com muita sequela. “O vírus caminha pelo sistema nervoso, chega ao nosso cérebro e, lá, ele causa a infecção que leva à morte. Nas pessoas, os primeiros sintomas são dor de cabeça, dificuldade ao engolir e febre. A assistência médica assim que for mordido ou arranhado é extremamente importante, pois, poucos dias depois, os médicos farão protocolo de vacina e de soro, que é muito eficiente. Vale ressaltar que a morte de humanos por raiva não é por conta da doença em si, mas pela falta de assistência médica”, destacam.

Sobre o projeto, as graduandas compartilham que há duas frentes: a primeira é diretamente com a população em geral, cujo objetivo é educar as pessoas, mostrar como prevenir, abordar a importância da vacinação, como cuidar de nós mesmos, seres humanos, e dos animais. “A outra linha é com os veterinários e estudantes. Vamos fazer um curso para os veterinários se atualizarem no assunto, iremos nas clínicas veterinárias, com previsão de começar esse mês de maio, para explicar para os tutores, como combater a raiva aqui em Minas Gerais. Também faremos palestras em escolas, para ensinar sobre o tema para as crianças”, mencionam.

O perfil @crmvmg no Instagram reúne publicações informativas, com as principais informações sobre a doença em linguagem acessível. 

Fonte: CRMV-MG, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Opinião de veterinários deve ser a mais relevante para tutores de animais de companhia

Pesquisadores alertam população para o risco de vacinas anti cio em cadelas e gatas

Justiça determina que elefante Sandro permaneça no Zoológico de Sorocaba, interior de SP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

carrapato

Veterinário comenta sobre a doença do carrapato e recomenda algumas ações para preveni-la

remédio

Alerta: A presença de vermes no organismo dos animais de companhia pode ser fatal