in

HÁBITOS DE TUTORES DE PET NO BRASIL SÃO APRESENTADOS EM PESQUISA

Idade, estado civil e classe econômica estão entre os dados

A pesquisa encomendada pela Comissão de Animais de Companhia (Comac), do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan) ao Radar Pet mostra a predominância dos pets de acordo com características dos tutores, avaliando diversos aspectos.

O estudo aponta que a população estimada é de 25 milhões de cães e 7 milhões de gatos. O cachorro continua sendo o animal de estimação preferido nos lares que possuem cão ou gato, atingindo 79% das escolhas, sendo que o gato é preferido por 10% destas residências. “Cães e gatos coexistem em 11% dos lares que têm animais de companhia”, ressalta a editora da Revista Ecotour News, Vininha Carvalho.

Um dos mitos desmistificados com a pesquisa foi o de que membros da classe A preferem gatos, que são preferidos por apenas 9% deste grupo. Os cães são prediletos em 85%, e as duas espécies convivem em 6% dos lares desta classe.

Para os solteiros, os felinos também estão entre as preferências, 20% opta pelos gatos e 73% pelos cães. A coexistência está em 7% dos lares de quem vive sozinho. No caso dos casais sem filhos, a preferência por cachorro é ainda maior: 83% contra 6% dos que elegem os gatos.

caes_gatos_reproducao

Pesquisa aponta que os lares de casais com filhos jovens eadolescentes lideram na presença de cães e gatos com 50%(Foto: reprodução)

A pesquisa mostra que a penetração de cães e gatos é de 43% nas casas de casais sem filhos. Porém, ao considerar o ciclo de vida dos proprietários como casal com filhos pequenos, de até nove anos, esse número cai para 33%, o que demonstra que os casais preferem não manter animais quando estão com filhos pequenos, devido a preocupações e mitos ligados a segurança e higiene.

“O relacionamento positivo entre crianças e animais dependerá, em grande parte, da maneiras como os pais cuidam das necessidades físicas e emocionais do animal, possibilitando formar uma das primeiras e mais belas relações de amizade que um bebê poderia ter”, enfatiza Vininha.

Ao passar da idade é notada uma queda na presença de cães e gatos, segundo a pesquisa. Isso provavelmente se deve a diversos fatores, desde ao fato de que o animal nesse período está mais velho e morre, até ao do filho que morava com os pais ir embora e levar o cão.

Em relação ao tipo de moradia, o cão está em 79% dos proprietários que moram em casa e em 78% dos que vivem em apartamento. No caso do gato, 8% moram em casas e 18% em apartamentos.

Fonte: Terra, adaptado pela equipe Cães&Gatos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MARS LEVA CÃES TERAPEUTAS PARA UM DIA DE ATIVIDADE NA APAE CAMPINAS

90% DAS AVES MARINHAS TÊM RESÍDUOS PLÁSTICOS NO ESTÔMAGO