in

Atualização de guia tem como foco fases de vida dos gatos domésticos

Material foi elaborado pelas AAHA e AAFP

A fim de distinguir as diferentes fases da vida felina e fornecer um quadro para planos de saúde individualizados, a American Animal Hospital Association (AAHA) e a American Association of Feline Practitioners (AAFP) lançaram uma versão atualizada das recomendações para lidar com a espécie. O material intitulado “2021 AAHA/AAFP Feline Life Stage Guidelines” é uma atualização do guia de 2010.

No documento, são definidas quatro fases de vida dos felinos, são elas: Gatinho: nascimento até um ano; Jovem adulto: de um aos seis anos; Adulto maduro: dos sete aos dez anos; Sénior: dez anos ou maior e Fim de vida: qualquer idade.

Para as duas entidades “compreender a fase de vida e o estilo de vida de um gato tem um grande impacto nas estratégias de saúde, e os profissionais veterinários têm a responsabilidade de salientar a necessidade de cuidados continuados aos pacientes felinos em todas as fases da sua vida”.

“Uma abordagem amiga do gato adaptada ao paciente individual cria uma experiência mais positiva para o paciente, cliente e prestador de cuidados, e promove visitas mais frequentes e melhor conformidade”, afirma Jessica Quimby, profissional envolvida no projeto.

As orientações também  incluem tabelas de referência rápidas  para ajudar os profissionais veterinários a desenvolver planos de cuidados evolutivos, que crescem com os pacientes à medida que envelhecem.

Fonte: Veterinária Atual, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Aproximação de brasileiros com cães e gatos é algo cultural e remete às necessidades passadas

Médico-veterinário destaca os malefícios do consumo de chocolate por pets

Chefe do Setor de Fiscalização fala da importância do protagonismo feminino na Veterinária

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0

Comments

0 comments

CRMV-PR possibilita cadastro de profissionais para atuação voluntária em gestão de desastres

Difícil, mas não impossível: psicóloga fala sobre treinamento para se fazer otimista