in

Instituições europeias elaboram plano global para reduzir riscos de zoonoses emergentes

Espera-se que ação entre em prática no próximo ano

Espera-se que ação entre em prática no próximo ano

A fim de combater doenças zoonóticas a nível global, iniciativa chamada Preventing Zoonotic Diseases Emergence (PREZODE) foi anunciada. Segundo levantamento realizado pelo portal de notícias Veterinária Atual, ação, confirmada no dia 11 de janeiro, começará em 2022.

Como explica o informativo, os cinco pilares da PREZODE são a análise zoonótica de risco; a redução desse risco; a detecção e avaliação precoce dos impactos socioeconômicos, um sistema internacional de monitorização do risco zoonótico e a participação das partes interessadas e desenvolvimento de redes regionais de saúde e biodiversidade.

Neste ano de 2021, será delineado um plano de ação científico e estratégico, assim como a criação de um sistema de governação e elaborado um roteiro com indicadores de desempenho. Uma plataforma digital para recolha e partilha de dados também será desenvolvida.

QU Dongyu, diretor-geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), apoiou o programa, oferecendo a utilização do Centro Conjunto FAO/OMS, que trabalha na segurança alimentar, nas doenças animais e na resistência antimicrobiana, e o uso do Centro de Técnicas Nucleares em Alimentação e Agricultura, dirigido pela FAO e pela Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA).

Por hora, estão associados à iniciativa três institutos franceses e dez organismos de investigação na França, Alemanha e Holanda, envolvendo mais de 1.000 investigadores em 50 países. Os institutos são o Centre de Coopération Internationale en Recherche Agronomique pour le Développement (CIRAD), o l’Institut National de Recherche en Agriculture, Alimentation et Environnement e o Institut de Recherche pour le Développement (IRD).

Outros envolvidos incluem a Agência Francesa para a Alimentação, o Ambiente e a Saúde e Segurança no Trabalho (ANSES), o Institut Pasteur, o Instituto Nacional Francês de Saúde e Investigação Médica (INSERM), o Friedrich-Loeffler-Institut na Alemanha e a Universidade de Wageningen dos Países Baixos.

Fonte: Veterinária Atual, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Corrida em prol dos animais visa educar e promover saúde

CRMV-SP pontua ações para evitar que pets sejam atacados por animais peçonhentos