in

Investigadores descobrem origem genética dos padrões de cor dos cães

Estudo investigou, ainda, se as variantes genéticas identificadas também existem em lobos

Uma variante genética originada há mais de dois milhões de anos em um animal, agora, extinto parente do lobo moderno é a responsável pelos padrões de cor muito leves na pelagem dos cães e lobos. A equipe internacional de investigadores, incluindo cientistas do Instituto de Genética da Universidade de Berna, na Suíça, descobriu, ainda, a existência de mais uma combinação de cor, revela a instituição em comunicado.

A universidade recorda que os lobos e os cães produzem dois tipos diferentes de pigmentos: o preto, chamado eumelanina, e o amarelo, de nome feomelanina; sendo a mistura destes pigmentos que resulta nos padrões de cores.

Antes do estudo, quatro padrões diferentes tinham sido reconhecidos em cães e várias variantes genéticas tinham sido teorizadas como causa dos padrões. No entanto, a investigação encontrou mais uma.

Durante a formação da cor da pelagem, a presença da chamada proteína de sinalização agouti é o que produz a feomelanina amarela. “Percebemos desde cedo que as variantes genéticas causais têm de ser variantes regulamentares que modulam a taxa de produção de proteínas e conduzem a quantidades mais ou menos de proteína de sinal agouti”, explica o investigador da Universidade de Berna, Tosso Leeb.

O gene para a proteína de sinalização agouti tem vários locais de iniciação para a leitura da informação genética, que são chamados promotores. Os cães possuem um promotor ventral, responsável pela produção da proteína na barriga, e um promotor específico do ciclo capilar.

A investigação descobriu a existência de duas variantes do promotor ventral. Uma das variantes transmite a produção de quantidades normais. A outra causa a produção de uma quantidade maior que o normal. Os investigadores também identificaram três variantes diferentes do promotor específico do ciclo capilar.

Tosso Leb considera que, face a estes resultados, “os manuais escolares têm de ser reescritos porque há cinco em vez dos quatro padrões anteriormente aceites nos cães”.

Cães produzem dois tipos diferentes de pigmentos: o preto, chamado eumelanina, e o amarelo, de nome feomelanina (Foto: reprodução)

Outras descobertas

O estudo investigou, ainda, se as variantes genéticas identificadas também existem em lobos. Estas análises demonstraram que já estavam presentes em lobos antes da domesticação de cães modernos.

Os investigadores demonstraram, também, que a variante hiperativa do promotor específico do ciclo capilar em cães e lobos de cor clara partilha mais semelhanças com espécies muito distantes, como o chacal-dourado ou o coiote do que com o lobo cinzento europeu.

“A única explicação plausível para esta descoberta inesperada é uma origem antiga desta variante, há mais de dois milhões de anos, num parente já extinto de lobos”, diz o cientista Tosso Leb.

O estudo foi publicado na revista científica Nature Ecology and Evolution e está disponível neste link.

Fonte: Veterinária Atual, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Microchip em cães e gatos de estimação: qual o impacto na Saúde Pública?

Cadela que auxiliou o Corpo de Bombeiros em Brumadinho (MG) se aposenta

Sopro cardíaco pode comprometer a qualidade de vida dos animais de companhia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

livro sobre RT na Veterinária

Veterinárias lançam livro com detalhes sobre a atuação do responsável técnico na profissão

Japão estuda células-tronco em cães

Japão: Estudo apresenta nova terapia com células-tronco em cães