in

Kit de primeiros socorros é importante, mas não elimina necessidade da ida ao veterinário

Após algum acidente, tutor, primeiramente, pode socorrer o pet em casa, mas deve levá-lo à clínica o mais rápido possível

Um caco de vidro perdido na rua, uma brincadeira mais entusiasmada, uma quina de móvel afiada… São muitos os riscos de acidentes a que os pets estão sujeitos dentro e fora de casa. Nessas horas, ter um kit de primeiros socorros à mão é um recurso importante para amenizar o desconforto do animal.

Como aconselha a médica-veterinária coordenadora de Internação e da Unidade de Terapia Intensiva, do Hospital Veterinário Veros, Camilla Oliveira Mendes, em uma situação emergencial, pequenas intervenções, se bem empregadas, podem ser importantes aliadas até que o tutor tenha tempo de buscar um profissional veterinário.

Bandagens e gases para um curativo rápido, água oxigenada e soro fisiológico para limpeza da lesão são suficientes para o kit (Foto: reprodução)

Mas atenção! Após o primeiro atendimento em casa, a recomendação é procurar imediatamente o médico-veterinário, até mesmo nos casos de ferimentos externos. Uma bandagem ou curativo podem ser aplicados de imediato, mas o tutor deve ter plena consciência de que é uma medida de contenção e que não elimina a necessidade de passar por uma consulta.

O alerta é ainda mais imperativo caso o animal apresente alguma manifestação clínica. Para vômito, diarreia, coceira e irritação nos olhos, por exemplo, a automedicação está automaticamente descartada. “É uma prática contraindicada. Manifestações clínicas diversas podem ser subvalorizadas e negligenciadas se houver a facilidade de medicar em casa, potencializando um atraso no diagnóstico”, adverte Camilla.

Por isso, quando se fala em manter um kit de primeiros socorros em casa, bandagens e gases para um curativo rápido, água oxigenada e soro fisiológico para limpeza da lesão são suficientes para proteger um corte ou lesão e ajudar a estancar o sangramento até que o paciente chegue ao consultório veterinário.

É preciso cuidado. Um kit de primeiros socorros é um valioso aliado, mas também representa um risco se o tutor avaliar que o pronto atendimento em casa é suficiente. “Muitas vezes, problemas graves começam com sintomas simples. Um episódio de vômito esporádico, uma diarreia que passou rápido ou uma tosse recorrente podem esconder doenças graves que precisam de intervenção mais assertiva”, reforça Camilla.

Seja um ferimento por acidente, uma manifestação clínica ou um comportamento incomum, a recomendação é resistir à tentação de “esperar sarar sozinho” ou ministrar “aquele remedinho que sempre funciona”. Procure seu médico-veterinário na primeira oportunidade. Ele é o profissional indicado para avaliar o caso, prestar o atendimento adequado e indicar o melhor tratamento.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Veterinários explicam os tipos de técnicas anestésicas para animais de companhia

Pesquisadores visam novas ferramentas de diagnóstico para câncer de mama em cães

Setor pet brasileiro cria 2,83 milhões de empregos e ultrapassa 285 mil empresas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

gata tailandesa

Profissionais explicam motivos pelos quais alguns gatos que nascem com “duas cabeças”

otite externa

Nova campanha da Elanco mostra como o cão escuta o mundo quando desenvolve otite externa