Buscar na cães e gatos

Pesquisar
Close this search box.
- PUBLICIDADE -
Pets e Curiosidades

Leptospirose canina: saiba como proteger o seu pet e evitar a transmissão para humanos

Veterinário alerta para os cuidados e explica que a doença pode ser transmitida pelo contato com a urina de animais infectados
Por Equipe Cães&Gatos
cachorro no médico
Por Equipe Cães&Gatos

As enchentes no Rio Grande do Sul seguem trazendo muitas consequências aos gaúchos, inclusive as sanitárias, como o aumento dos casos de Leptospirose, doença infecciosa causada pelas bactérias do gênero Leptospira. De acordo com a Secretaria Estadual da Saúde (SES) já são 15 mortes confirmadas e mais de 242 casos no estado.

- PUBLICIDADE -

A doença é transmitida pela água suja, contaminada principalmente pela urina de ratos e, além de poder evoluir a óbito (se não for tratada corretamente), chama a atenção por ser uma zoonose, ou seja, pode ser transmitida entre animais domésticos, silvestres e humanos.

O diagnóstico pode incluir exames de sangue, urina e outros testes específicos para detectar a presença da bactéria (Foto: Reprodução)

Segundo Regis Bergamaschi, docente do curso de Medicina Veterinária da Faculdade Anhanguera, a doença em pets é um alerta e exige cuidados especiais, pois aos humanos podem contrair leptospirose ao tocar diretamente a urina de um cão infectado ou em áreas contaminadas com a urina.

“A bactéria pode sobreviver em água e solo úmidos. Humanos podem se infectar ao entrar em contato com água contaminada (lagos, rios, poças) ou solo úmido onde a urina de animais infectados está presente. É importante dizer que os alagamentos estão diretamente relacionados com a disseminação da doença, sendo que ainda contribuem para um ambiente propício para a sobrevivência e reprodução desses patógenos. Além do contato entre a pele lesionada e mucosas, mesmo que íntegras, e a água contaminada, outro meio de transmissão da Leptospirose para humanos é a ingestão de alimentos contaminados ou contato com objetos infectados”, alerta.

Regis explica que, nos animais, as leptospiras conseguem penetrar na pele lesionada ou em mucosas, e produzir lesões em vários órgãos, principalmente rins e fígado, mas que o nível da doença varia de acordo com a idade, o sistema imunológico e o histórico do pet. 

A doença é transmitida pela água suja, contaminada principalmente pela urina de ratos (Foto: Reprodução)

“Os sinais clínicos apresentados podem variar muito de acordo com a cepa infectante e com a fase da doença no organismo. O gênero Leptospira é composto de cerca de 250 sorovariedades com diferentes níveis de patogenicidade. Os sinais implicam em: febre, depressão, letargia, vômitos, diarreia, poliúria (produção excessiva de urina), polidipsia (sensação de abundante de sede), dores abdominais, mialgias (dores musculares), anorexia (ausência de apetite), halitose (mau hálito) e icterícia (coloração amarelada das mucosas ou da parte branca do olho). Com a evolução do caso, é possível observar petéquias (pontos vermelhos na pele), hemorragias em mucosas e conjuntivas, úlceras bucais, insuficiência renal e insuficiência hepática. Eventualmente pode acontecer episódios de aborto. Por isso, diante de qualquer um desses sintomas nos animais de estimação, procurar por um veterinário é essencial”, sugere.

Por fim, Regis explica que o diagnóstico pode incluir exames de sangue, urina e outros testes específicos para detectar a presença da bactéria, e que além do tratamento, o animal precisa ser monitorado. “O tratamento geralmente inclui o uso de antibióticos para eliminar a bactéria do organismo do cão. É importante seguir o tratamento até o fim, conforme prescrito pelo veterinário. Em casos graves, pode ser necessário tratamento de suporte, como fluidoterapia para combater a desidratação e o suporte nutricional. Cães infectados devem ser mantidos isolados de outros animais e pessoas para evitar a transmissão da doença. Além disso, após o tratamento, o cão deve ser monitorado de perto para garantir que está se recuperando adequadamente e para evitar recaídas”, finaliza.

Fonte: Faculdade Anhanguera, adaptado pela Equipe Cães e Gatos.

LEIA TAMBÉM:
Com quantos meses pode dar banho no cachorro? Veja dicas
Entenda quais doenças podem atingir animais resgatados das enchentes
Verminoses: Conheça cinco sinais de que seu cão pode estar sofrendo com elas

Compartilhe este artigo agora no