Buscar na cães e gatos

Pesquisar
Close this search box.
- PUBLICIDADE -
Inovação e Mercado

Levantamento da Comac mostra que, segundo veterinários, falta valorização da profissão no Brasil

Por Equipe Cães&Gatos
veterinários
Por Equipe Cães&Gatos

Em 9 de setembro de 1993, foi regulamentada a profissão de médico-veterinário, transformando a data no dia oficial em comemoração à profissão. Desde então, a atividade profissional vem ganhando mais relevância, principalmente com o aumento da população pet e uma maior ligação entre tutores e animais. Buscando entender o perfil do veterinário brasileiro, a Comissão de Animais de Companhia (Comac), do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan), realiza, regularmente, a pesquisa Radar Vet, entrevistando profissionais de todas as regiões do Brasil. 

- PUBLICIDADE -

O estudo mais recente entrevistou 732 profissionais e constatou que a falta de valorização profissional é, hoje, a principal dificuldade na carreira – um sentimento reportado por 40% dos respondentes. Além disso, a limitação financeira para o cuidado com seus pets dos tutores é outro desafio para o desempenho dos veterinários, o que se reflete em uma série de decisões e recomendações do profissional. 

Estudo mais recente da Comac entrevistou 732 profissionais (Foto: reprodução)

O Radar Vet é o mais completo estudo sobre a profissão no Brasil, apresentando um panorama fiel da profissão no País. De acordo com o levantamento, a principal especialização é a de clínica médica, cirúrgica e preventiva, com 42% do total dos profissionais. Em segundo e terceiro lugar, ficam, respectivamente, cirurgia com 12% e Medicina de Felinos com 9%. Dermatologia e Anestesiologia empataram com 6%. 

Já a idade média dos profissionais é de 37 anos e as atividades que mais se destacaram foram de funcionários em clínicas veterinárias (38%) e de donos de clínicas (33%). Outros 22% atuam como autônomos e 4% se identificam como autônomos com contrato de prestação de serviços. No que diz respeito às atividades executadas, o atendimento clínico/cirúrgico é realizado por quase todos os entrevistados. Compras e gestão são tarefas assumidas pelos donos dos estabelecimentos em 70% e 75% dos casos, respectivamente. 

Aplicativos, cursos on-line e os webinar foram apontados pelos respondentes como as principais formas de atualização profissional nos dias de hoje. Por outro lado, os livros, congressos e revistas técnicas do segmento pet apresentam queda em relação a 2018. “O Sindan quer ser um parceiro desses profissionais, tanto no desenvolvimento de medicamentos inovadores para o tratamento dos animais quanto na geração de informações e inteligência de mercado. Queremos interagir com os principais players desse segmento no sentido de fortalecer e desenvolver a cada dia mais o mercado pet brasileiro”, afirma a coordenadora da Comac, Andrea Castro.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Médica-veterinária do Zoo de São Paulo fala sobre o dia a dia do trabalho com animais selvagens

Veterinária nutróloga comenta casos de intoxicação de cães após consumirem petiscos

Telemedicina Veterinária: profissionais opinam sobre pontos positivos e negativos da prática

Compartilhe este artigo agora no