in

Médica-veterinária da Syntec Brasil fala sobre complicações da doença do carrapato

O parasita pode acometer animais e humanos e ser responsável por doenças fatais

Não é novidade que o verão, dias e noites quentes, sejam convites para passeios com os pets fora de casa, mas, para isso, a atenção com a saúde dos animais deve ser redobrada. Algumas das enfermidades que podem acometer cães e gatos  é a doença do carrapato.

Os transtornos causados aos cães por esses aracnídeos vão além da coceira, os carrapatos podem ser causadores de doenças fatais, capazes de acometer animais e humanos. A médica-veterinária e gerente nacional de produtos para pets da Syntec do Brasil, Yolanda Antunes alerta sobre a proliferação desse parasita. 

De acordo com a Comissão de Animais de Companhia (COMAC), do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan), 72% dos atendimentos a cães em clínicas veterinárias têm relação com doenças causadas por carrapatos. Entre os problemas mais comuns está a babesiose canina – causada pelo protozoário Babesia canis, que provoca infecção dos glóbulos vermelhos dos cães, destruindo-os e levando a uma anemia grave. A doença é transmitida por várias espécies de carrapatos e os sintomas incluem perda de apetite, apatia, febre, anemia (mucosas pálidas), icterícia e diarreia.

Yolanda Antunes, explica que a erliquiose canina é outro importante problema. Causada por uma bactéria (Erlichia canis) a doença é capaz de parasitar os glóbulos brancos do sangue, levando à sua destruição. “Essa enfermidade, cujo diagnóstico é tão difícil quanto o tratamento, provoca febre, perda de apetite, perda de peso, manchas na pele (hemorragias), fraqueza muscular e, em estados avançados, sangramentos nasais e vômitos. A erliquiose possui três fases, dependentes do tempo da infecção”, sinaliza a médica-veterinária. 

Yolanda exemplifica o processo: “A bactéria causadora da erliquiose passa a se multiplicar em diferentes órgãos, como o fígado, o baço e os linfonodos após período de incubação que dura entre 8 e 20 dias. Nessa fase, que é a aguda, pode ocorrer a inflamação nestas regiões”.

doença do carrapato
De acordo com a COMAC, 72% dos atendimentos a cães em clínicas veterinárias têm relação com doenças causadas por carrapatos (foto: reprodução)

“Já a fase subclínica costuma acontecer após o período de 6 a 9 semanas de incubação e pode persistir por até 5 anos. Nesta fase, além de anemia, ocorre a diminuição significativa do número de leucócitos (glóbulos brancos) e de plaquetas – células responsáveis pela defesa do organismo e pela coagulação sanguínea, respectivamente. Estas alterações podem ser detectadas em exames de hemograma de rotina. Por fim, na fase crônica, a erliquiose passa a ter características de uma doença autoimune. Os sinais clínicos costumam ser os mesmos da fase aguda, com maior ou menor intensidade.” discorre a gerente nacional.

Como o perigo é grande, o tratamento das doenças causadas pelos carrapatos deve ser eficaz. “Assim que notar qualquer sintoma, o tutor deve procurar ajuda. O veterinário realizará exames e, assim, indicará a melhor medicação para sanar os problemas causados pelos carrapatos”, alerta Yolanda. “Contudo, melhor do que tratar é prevenir e não esperar que os carrapatos se instalem nos animais. Para começar, é essencial fazer higiene periódica dos cães e dos seus espaços em casa. É preciso checar as roupas, brinquedos e tudo que cerca o pet.”

Para auxiliar na prevenção contra carrapatos, a Syntec do Brasil acaba de colocar no mercado TecSpot, produto composto por fipronil, um dos princípios ativos mais seguros e eficazes para prevenção, tratamento e controle de pulgas e carrapatos. TecSpot é encontrado em forma de pipeta, tem amplo espectro de ação e é normalmente utilizado e reconhecido pela classe veterinária. “O produto pode ser utilizado em filhotes e adultos a partir de 8 semanas de idade e auxilia na prevenção e controle de doenças infectocontagiosas, prevenindo, controlando e tratando ectoparasitoses em pets de todas as raças e portes. Além disso, atua de forma completa nos animais e no ambiente, prevenindo o risco de reinfestação”, finaliza a gerente da Syntec.

Fonte: A.I, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Pequenas mudanças na rotina dos gatos devem ser consideradas sinais de alerta

Especialista em marketing reforça a ideia de inclusão de pets com deficiência no meio publicitário

Pesquisadores interessados já podem se inscrever no 8° Prêmio de Pesquisa PremieRpet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

proibição de cães noruega

País europeu proíbe criação de Buldogue inglês e Cavalier King Charles Spaniel

Farmácia

Novas empresas entram no mercado pet para aproveitar onda de oportunidades