in

Médica-veterinária explica alguns comportamentos dos gatos que causam dúvidas nos tutores

Comunicação e sinais de que algo não vai bem são alguns dos pontos comentados

Os gatos, cada vez mais, conquistam famílias com a sua personalidade forte, independência e peculiaridades. O comportamento dos bichanos, que muitas vezes é um mistério até mesmo para os verdadeiros “gateiros”, ainda causa dúvidas. A médica-veterinária cadastrada no GetNinjas, Letícia Stella, explica como os gatos enxergam o mundo.

Mesmo sendo um assunto muito discutido, nenhum especialista chegou a uma resposta conclusiva sobre o que os gatos pensam. Segundo Letícia, as pessoas cometem o erro de pensar que os gatos são animais antissociais e, até mesmo, “interesseiros”, comparando-os a cães. “É nítida a diferença de comportamento entre um cão e um gato, pois são espécies diferentes. Alguns estudiosos afirmam que os gatos nos veem como ‘gatos maiores’, pois seu comportamento com o ser humano é parecido com o feito com outros da sua espécie. Claro que o comportamento dos felinos pode, sim, variar de um para o outro e cabe a nós nos atentarmos quando os pets mudam repentinamente a rotina, pois pode ser um sinal de que algo não vai bem”, informa.

Segundo a veterinária, qualquer sinal de mudança repentina no comportamento dos gatos pode ser sinal de que o animal está doente ou estressado. Alguns comportamentos que podem demonstrar que a saúde dos bichanos está comprometida, são: parar de se alimentar ou diminuição do apetite; diminuir ou aumentar o consumo diário de água; não urinar ou defecar em quantidades e intervalos regulares; não brincar como de costume; mostrar indisposição; vocalizar (miar) de forma diferente do habitual; ter coceiras intensas; parar de pular ou subir em objetos como de rotina; lamber apenas um local do corpo com uma frequência maior.

Letícia ressalta que, qualquer alteração no comportamento, por mínima que seja, deve ser levada em consideração. Assim, o tutor deve prontamente levar o bichano ao médico veterinário para entender melhor essas mudanças.

O ronronar e a posição das orelhas são algumas formas de comunicação dos gatos com outros animais e tutores (Foto: reprodução)

Comunicação entre os felinos e seus tutores

Os gatos utilizam da linguagem corporal para se comunicar com outros gatos e com seus tutores. É comum que os bichanos “ronronem” quando estão felizes e satisfeitos, porém, alguns estudos demonstram que o ronronar também pode estar associado à fome ou, até mesmo, à dor. “Ronronar, nesse caso, seria para estimular o sistema defensivo. Deve-se observar quando o ronronar do gato se associa a algum comportamento que difere do normal. Os gatos têm como hábito se esfregarem em outros gatos ou em seu tutor, o que demonstra carinho e confiança. Outro exemplo de comunicação corporal envolve as orelhas. Quando estão abaixadas, demonstram medo, já quando estão erguidas e para trás, demonstram confiança e agressividade”, informa a profissional.

Já quando o assunto é banho, ao contrário do que muitas pessoas pensam, não é proibido em gatos, mas também não é preciso dá-los com frequência. Segundo a veterinária, os pelos dos bichanos produzem óleos naturais, que são essenciais para a saúde da pele e dos pelos. “Quando os banhos são frequentes, a produção destes óleos fica prejudicada, portanto, cada animal deve ser avaliado de forma individual. Geralmente, uma boa escovação já é suficiente para manter os pelos saudáveis. O banho a seco é uma alternativa menos estressante para o animal. Caso opte pelo banho tradicional use produtos adequados, seque bem o pet e após o banho recompense-o para que ele não fique estressado e se afaste depois do banho”, complementa.

Gato saudável, gato feliz!

A veterinária avisa que para manter os felinos felizes e com uma vida confortável, além de muito amor e carinho, é preciso se atentar aos detalhes da comunicação do animal com o ambiente. “É importante enriquecer o ambiente com brinquedos, comedouro interativo, prateleiras e casinhas no alto. Além disso, uma alimentação de boa qualidade é fundamental para manter o pet sempre bem nutrido e saudável. Ainda falando em saúde, a castração ajuda a evitar vários problemas comportamentais e muitas doenças”, menciona.

A profissional ainda lembra que é de extrema importância que o animal esteja com as vacinas em dia e tenha sempre um acompanhamento com o médico-veterinário de confiança para ter uma vida feliz, confortável e longeva. “Por fim, a caixinha de areia deve estar sempre limpa e é recomendado que haja duas caixas para cada gato”, finaliza.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Projeto de Lei que regulamenta a prática da caça esportiva no Brasil afronta direitos dos animais

Retrospectiva: Entre os temas mais lidos de 2021, saúde mental e bem-estar animal se destacam

Cães sem coleira: tutor deve controlar o acesso à rua sem a guia para não ferir a lei

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

clínica

Governo de São Paulo viabiliza a instalação de consultórios veterinários públicos em alguns municípios

mercado de trabalho

Profissional de Veterinária pode atuar em diversas áreas em prol da saúde animal e humana